A reforma psiquiátrica e uma nova forma de pensar saúde

Primary tabs


5votos

A reforma psiquiátrica e uma nova forma de pensar saúde

Priscila Barbosa da Silva is offline

 

Quando nos referimos a loucura, ou ao que se conhece como tal. Logo remetemos nosso pensamento as pessoas, ao sistema de saúde que as trata, e aos profissionais que se dedicam no cuidado e estudos para que estes tenham condição mais saudável de vida. O artigo, toca em vários aspectos sócio e econômicos que viabilizam ou não a universalização dos serviços de saúde, e como foi de extrema importância, descentralizar o serviços de saúde mental dos manicômios. Fazendo assim como que aconteça uma humanização, dos trabalhadores e profissionais, conscientizando e tomando novas atitudes e formas de tratar.

A reforma psiquiátrica, rompendo com a centralidade dos manicômios, vem trazer uma nova proposta, produzindo conceitos e novas percepções sobre a loucura. Concebendo assim nova visão sobre o sus, no que relaciona-se a uma grande transformação no cuidar e na saúde. Façamos algumas perguntas necessárias para pensarmos em saúde: Que escolhas determinam as necessidades de cuidados da população? Quais seriam as condições para entrar e sair do usuário no sistema de atenção à saúde?

A população do mundo difere em relação a sua qualidade de saúde e do modo de viver, quando vemos aqui uma nova proposta de universalização dos serviços pensamos e muitas vezes nos indagamos sobre essa possibilidade. Quando na verdade, uma universalização apenas pensa em uma nova forma de ver o sujeito. De trazer o usuário de forma que o mesmo seja atendido e conquiste uma vida mais saudável e insira-se novamente na sociedade. Com a reforma psiquiátrica revemos nossos conceitos sobre, saúde, pessoas, transtornos e a individualidade e subjetividade de cada um. Possibilitando uma ampliação de saberes e métodos de trabalho.

O artigo sobre os arranjos da loucura, traz a grande referência de Foucault, para exemplificar e trazer um novo campo de visão. Foucault nos traz elementos que nos fazem questionar o modo como o sofrimento físico, mental, social, econômico vem ganhando cada vez mais o nome de doença mental e se afirma gradativamente em novos arranjos em nossa existência mais comum. E com isso, o poder psiquiátrico vai adquirindo cada vez mais novos poderes em função da proteção, da vigilância e da segurança estatais contra os desvios sociais.

Foucault fala sobre as civilizações modernas e em como separamos o homem em dois atos: Normal e anormal, que pouco sabemos diferenciar, mais que prontamente rotulamos sem saber. No campo da psiquiatria, a coisa toma forma diferente a partir de agora. O psiquiatra, não mais é aquele que busca incessantemente a cura. Mas agora, o psiquiatra passa a ser o profissional que estará ali para dar assistência e proteção ao usuário, e não mais apenas vestir seu jaleco e determinar quem é normal ou louco. As determinações de normalidade iniciam-se logo cedo, quando o artigo nos remete á crianças que tem alguma dificuldade de aprendizado e que logo são rotuladas como atrasadas, que sofrem psiquicamente com a pressão dos adultos e sociedade no que esperam que ela aprenda. Costumamos fazer diferenciações o tempo todo. A sociedade nos impõe que vejamos os outros, radicalmente falando como: Os que servem, e os que não servem. E uma nova psiquiatria, um novo campo profissional para os colaboradores deste quadro vem em auxilio a essa grande conquista que a reforma psiquiátrica fez, que foi fazer com que não haja uma distinção ou mesmo rotulação.

A singularidade, diferença e individualidade agora são trazidas e ajudam a compreender o sujeito e agir da melhor maneira para que este se sinta bem. Os arranjos agora são menos estigmatizados e mais humanizados, não podemos generalizar e falar que em todos os lugares isso acontece, mas acreditar que deveria nos é permitido e ainda acreditar que nós futuros profissionais da saúde, poderemos colaborar para fazer com que essas particularidades favoráveis permaneçam no sistema.

 

Referências.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde Mental / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília : Ministério da Saúde, 2015. 548 p. : il. (Caderno HumanizaSUS ; v. 5)

Artigo: Psiquiatrização da Vida: Arranjos da Loucura, Hoje / Tania Mara Galli Fonseca e Regina Longaray Jaege

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 3 COMENTÁRIOS

Maria Luiza Carrilho Sardenberg is offline

Olá Priscila,

Coloquei a foto que você disponibilizou em outro espaço diretamente no post. Se for colocada lá, não aparecerá no post. 

Quanto ao carrossel da rede, a foto foi inserida corretamente.

No link  "ajuda", localizado no canto direito da página inicial, você vai encontrar um ítem sobre a inserção de imagens.

http://www.redehumanizasus.net/ajuda

Seja muito bem-vinda!!!

Paulo Henrique Trennepohl is offline

Boa sua colocação, a reforma psiquiatrica somente veio somar com o desenvolvimento do trabalho desenvolvido por profissionais preocupados com o bem estar dos usuarios, apesar de que atualmente existe muito preconceito e exclusão deste grupo, nos como futuros profissionais devemos repensar diversas formas de intervir nessa lacuna que está aberta ainda, desde que a reforma psiquiatrica começou a ser colocada em prática. Trata-los como humanos, como seres que necessitam de atenção, carinho e respeito, faz com que estes usuarios se sintam melhor. Um grande exemplo que podemos ter é demostrado no filme, Nise – O Coração da Loucura (2015), o qual nos remete a uma metodologia similar de intervenção, onde através das expressões dos pacientes via oficinas de artes, a médica psiquiátrica consegue fazer clínica com seus pacientes, fugindo ao tradicional atendimento. 

Jociana Medeiros is offline

Concordo com sua posição sobre o assunto Priscila, pois foi de suma importância a reforma psiquiátrica, rompendo paradigmas conservacionistas, onde os pacientes com doenças mentais deixaram de ser apenas objeto de saber, onde viviam enclausurados em um manicômio. A partir dessa reforma e com a PNH, se olha para as pessoas de forma mais humanizada, onde os profissionais que atuam neste campo são assim orientados, se desfazendo de rótulos, distinções e preconceitos.

Últimos posts promovidos


Raphael Henrique Travia is offline
5votos

"Nós" da RedeHumanizaSUS fazendo história na 1ª Conferência Nacional Livre de Comunicação em Saúde

No dia 19.04.2016 fiz logo cedo o credenciamento da 1ª Conferência Nacional Livre de Comunicação em Saúde para poder escolher as mesas das quais iria participar.

Últimos posts comentados


cleusapavan is offline
10votos

PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE: COMO ANDA O IMAGINÁRIO SOCIAL DA PERIFERIA DE SÃO PAULO

Quem trabalha ou se interessa pela temática da produção de subjetividade no contemporâneo, mais especificamente, no Brasil de 2017, vai encontrar dados muito instigantes na pesquisa recém saída do forno da Fundação Perseu Abramo: “Percepções e valores políticos nas periferias de São Paulo”.

Trata-se de uma pesquisa qualitativa em que, com categorias originais, nos aproximamos de uma construção analítica passível de nos surpreender imensamente.