A NEFASTA DESASSISTÊNCIA DE PESSOAS COM CÂNCER NO RIO DE JANEIRO.

Primary tabs


5votos

A NEFASTA DESASSISTÊNCIA DE PESSOAS COM CÂNCER NO RIO DE JANEIRO.

WILIAM MACHADO is offline

As frequentes desculpas das autoridades jamais nos convencerão de que não procedem as queixas pela maneira irresponsável como representantes da classe política, lideranças profissionais de saúde e gestores hospitalares da rede pública municipal, estadual e federal,  do Rio de Janeiro, lidam com questões relativas ao tratamento de pessoas com câncer. Muitos discursos evasivos, conteúdos políticos distorcidos, enquanto a conta mais perversa recai sobre os mais pobres, sem  atendimentos dignos de diagnóstico e tratamento da doença. Entre pretextos mais utilizados, a crise de financiamento público, preferida dos gestores incoerentes, maioria indiferente ao risco de morte enfrentado por milhares que dependem de um ou outro insumo, que minimize suas dores e tranquilize seus familiares.

De que servem tentativas de justificar o irremissível? Quando o que está em jogo são vidas humanas ameaçadas, nesse caso, de pessoas com câncer que apenas contam com serviços públicos de saúde. Os quais de melhor qualidade no Instituto Nacional do Câncer – INCA, onde estão  mais concentradas verbas de pesquisa e assistência. É importante destacar que a instituição não pode atender à todos que precisam de tratamento no Rio de Janeiro, pois também recebe pessoas de todo o país. Além de fazer uma triste previsão para os próximos  anos: a de que essa doença, deva se tornar a principal causa de morte de brasileiros. Na realidade, o que está faltando é competência, seriedade e capacidade de gestão, nas demais unidades hospitalares da rede pública, não de jabutis em cima dos muros e sem saber o que fazer.

Da suspeita da doença ao diagnóstico perde-se tempo em demasia, variando da falta de pessoal para operar os equipamentos, defeitos e longos processos de manutenção desses equipamentos, falta de profissional médico especializado, contratos vencidos e não renovados com empresas terceirizadas, embora haja consenso acerca da relevância na intervenção precoce, como infalível para cura da doença em estágios iniciais. Quando diagnosticada, outra tragédia anunciada, pois a regularidade vital do tratamento não é regra no SUS, ao menos na rede pública de saúde do Rio de Janeiro. Muitos casos de pessoas sem dose do medicamento a ser usado regularmente, outros tantos a espera de exame diagnóstico do tipo de câncer, para dar início a tratamento específico, amargam filas intermináveis e o sistema absolutamente falido. Um caos! 

A Cidade do Rio de Janeiro, por exemplo, deveria ser exemplo de serviços públicos hospitalares, considerando nela concentrado esteja maior número de hospitais da Rede Federal, além das unidades Estaduais e Municipais, somadas ao Instituto Nacional do Câncer – INCA, com várias unidades hospitalares especializadas. Ao invés disso, nas últimas décadas, afetadas pelo sucateamento do setor público, contaminadas pelo vírus da corrupção e gestões politiqueiras, essas unidades hospitalares iniciaram processo de queda vertiginosa na oferta de leitos e padrão de qualidade dos serviços, inclusive, nos quatro grandes hospitais universitários da Região Metropolitana do Rio de Janeiro.

Nesse contexto deficitário, as pessoas com câncer estão entre as mais prejudicadas, e a doença continua ceifando vidas de crianças, adolescentes, adultos e idosos das classes de menor posse, ao passo que aqueles que conseguem pagar planos de saúde ficam menos vulneráveis aos desserviços do sistema público. Algo precisa ser feito para dar fim à tão devastadora sistemática, afinal, quem precisa de exames, consultas, medicamentos e demais tratamentos para o câncer não pode se expor a riscos de não os obter, a menos que se institucionalize condenação dessas pessoas a pagar com a própria vida o fato de ter nascido em país de excluídos. Evidente que não gostaríamos de ter o Brasil nessa estatística, mas inevitável que se estabeleça relação direta com a irresponsabilidade daqueles que detém poder de decidir.

Seriedade e compromisso humanitário para resolver a situação seriam bem-vindos, e poderiam ajudar na mudança do status quo. Sensibilidade para pensar na necessidade dos mais carentes, esquecendo-se da esbanjada vida que levam as nossas custas, em particular, os fartos recursos que custeiam seus planos de saúde sem limites de gastos. Verdadeira aberração, considerando que no Sistema Único de Saúde, o que deveria servir a todos, indistintamente, falta o básico do básico. Diariamente, milhões de brasileiros de poucas posses recorrem ao SUS e retornam frustrados aos seus lares, mesmo assim, fielmente apegados à Fé de que algo possa melhorar, pois a situação enfrentada é similar ao fundo do poço e não há mais como descer.

A complexidade que envolve viver entre a vida e a morte por falta de recursos materiais decorrentes da inobservância do gestor público é mesmo um avilte, prova inconteste do quanto a sociedade brasileira precisa evoluir, do ponto de vista de cidadania, para que a população não mais pague por omissão, seu dever de fiscalizar a aplicação adequada dos recursos públicos. Temos consciência de que a desassistência para com pessoas com câncer é fenômeno nacional, não se restringindo ao Rio de Janeiro, apenas o abordamos foco por viver nesse vórtice regional.

Wiliam Machado  

 1 COMENTÁRIOS

Emilia Alves de Sousa is offline

Oi William,

Muito preocupante a sua denúncia. O câncer é uma das patologias mais letais entre as doenças crônicas, e quem tem não pode perder tempo com espera. Quanto mais  precoce o início do tratamento, maior a possibilidade de cura. Entretanto, não tenho conhecimento dessa crise aqui no estado. Trabalho num hospital infantil, o único de referência, na rede pública no Estado do Piaui, para tratamento especializado da criança e do adolescente, e que diagnostica, em média, um caso de câncer por semana, e o tratamento é feito num hospital da rede privada conveniado com o SUS. Mas desconheço essa crise no tratamento oncológico.  O diagnóstico dos casos de câncer, no nosso  hospital , não demora tanto, e procedido o diagnóstico,  o tempo de espera de regulação para realização do tratamento no Hospital São Marcos  varia entre dois a três dias, salvo os casos procedentes de outros estados, cujo SUS  não é pactuado com o SUS da nossa capital, aí a demora se prolonga mais, por conta dos trâmites burocráticos. Interessei-me agora para conversar com a equipe de profissionais do HSM, pra saber se o hospital está com alguma dificuldade em relação ao tratamento oncológico dos usuários do SUS. Depois darei notícias!

AbraSUS!

Emília

Últimos posts promovidos


Layse Veloso de A. Santos is offline
5votos

“Das estradas esburacadas de barro...” Uma roda de conversa sobre Educação permanente com alunos de psicologia.

Este post descreve a realização da nossa primeira roda de conversa com os alunos de psicologia do CESMAC de duas diferentes ênfases de estágio específico, educação e saúde. Post dedicado a atividade realizada para a disciplina Humanização na Saúde, ofertada pelo professor Sérgio Aragaki no mestrado profissional da FAMED/UFAL. Mas, antes de falarmos sobre a roda, é importante uma ressalva introdutória.

Últimos posts comentados