Outros blogs e redes parceiras

Saúde debate DST, aids e hepatites virais

Blog da Saúde - ter, 05/11/2013 - 10:47

O Ministério da Saúde lançou nesta terça-feira (05), em Curitiba, a primeira de uma série de consultas à sociedade civil para debater os rumos da política de enfrentamento das DST, aids e hepatites virais no país. O fórum, que acontece na capital paranaense até amanhã, reúne cerca de 700 pessoas da Região Sul, entre pesquisadores, representantes de movimentos populares e integrantes das secretarias municipais e estaduais de saúde dos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Entre os assuntos em pauta referente à aids está o novo protocolo de tratamento clínico de adultos, que irá estender o uso de antirretrovirais a todas as pessoas com HIV, independente da contagem de CD4. Durante o evento, serão discutidas as estratégias para intervenção entre populações vulneráveis, como homens que fazem sexo com homens (HSH), gays, profissionais do sexo, travestis, mulheres transexuais, usuários de drogas, pessoas privadas de liberdade e pessoas em situação de rua. Também será discutida a construção de uma agenda de trabalho com as ações integradas à atenção básica.

O diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Fábio Mesquita, explica que as  consultas públicas fazem parte das novas diretrizes do Ministério da Saúde e são baseadas na abertura ao diálogo democrático com todos que participam do enfrentamento às DST, aids e Hepatites virais no país. Fábio ressalta que o evento é uma oportunidade de debater, com toda a sociedade, as inovações tecnológicas e as novas evidências científicas que pautarão as ações do Governo, levando em conta as realidades regionais.

“O encontro também será um importante fórum de debate para o fortalecimento da atuação conjunta entre o governo federal, estados, municípios e organizações da sociedade civil para realização de ações de prevenção e testagem em parceria”, explica o diretor.

Hepatites– Durante o evento, serão discutidas ações com a atenção básica para a ampliação de acesso ao diagnóstico e aos insumos de prevenção à doença, como preservativos masculinos e femininos, gel lubrificante, kit de redução de danos, dentre outros. Também serão traçadas estratégias para simplificar o acesso ao tratamento das hepatites B e C, assim como o manejo das pessoas coinfectadas com HIV e aids, além medidas visando à ampliação da prevenção, testagem e oferta da vacina da hepatite B entre populações vulneráveis.

Serão realizadas mais cinco consultas, duas na Região Nordeste e uma em cada região (Norte, Sudeste e Centro-Oeste). O próximo evento será em Belém (PA), reunido o público da Região Norte e em Goiânia (GO) com os representantes da Região Centro-Oeste. As consultas da Região Nordeste foram divididas em dois eventos por razões logísticas, a primeira reunindo os estados da Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco e Paraíba e a segunda voltada aos estados do Rio Grande do Norte, Ceará, Maranhão e Piauí.

Estão disponibilizados, na página do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, materiais que subsidiarão as consultas, como vídeo de apresentação da situação atual da epidemia DST/aids e das hepatites virais e as prioridades do Departamento, materiais de referência e um Instrumento com os principais pontos a serem discutidos presencialmente. Para mais informações: fcp2013@aids.gov.br.


Fonte: Nivaldo Coelho / Agência Saúde

Abertas as inscrições para o Seminário Internacional de Avaliação em Saúde

Blog da Saúde - ter, 05/11/2013 - 09:30

Estão abertas as inscrições para o 3º Seminário Internacional de Avaliação em Saúde, promovido pela Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz) com apoio da Vice Presidência de Pesquisa e Laboratórios de Referência (VPPLR/Fiocruz). O evento será realizado nas dependências da Ensp nos dias 12 e 13 de novembro. As inscrições são gratuitas e os interessados em participar do encontro devem solicitar a ficha de inscrição através de contato com Jussara Amorim pelo e-mail juamorim@ensp.fiocruz.br.

O seminário contará com a presença de pesquisadores e diretores da Ensp/Fiocruz e das universidades Nova de Lisboa, Ottawa e Montreal. Na pauta dos debates, questões como a avaliação nas práticas de gestão no Sistema Único de Saúde (SUS) e a sociopedagogia do monitoramento situado, apresentação de estudos de caso sobre pesquisas intervencionais, potencialidades e desafios da avaliação participativa e gestão do conhecimento. Confira a programação completa do evento aqui.

Serviço
3º Seminário Internacional de Avaliação em Saúde: Avaliação, Translação e Gestão de Conhecimento na Pesquisa em Saúde
Local: Auditório Térreo da Ensp (12/11) e no Salão Internacional da Ensp (13/11). Rua Leopoldo Bulhões, 1480 – Manguinhos
Horário: 9h às 17h (12/11) e 9h às 13h (13/11)
Mais informações: (21) 2598-2978

Fonte: Fiocruz

#MaisMédicos | “Pacto pela saúde se torna realidade”, diz Dilma

Blog da Saúde - seg, 04/11/2013 - 18:27

Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

O Mais Médicos foi tema do programa semanal de rádio Café com a Presidenta desta segunda-feira (4), durante o qual a presidenta da República, Dilma Rousseff, destacou que até o fim de 2013, mais de 6 mil profissionais estarão atuando nas unidades básicas de saúde de todo o país. Dilma ressaltou que a iniciativa já proporcionou médicos a cerca de 12 milhões de pessoas que antes não contavam com atendimento. E citou casos específicos de médicos que estão fazendo a diferença para pacientes em Goiás e em Pernambuco.

Para a presidenta, o programa é a comprovação de que o pacto pela saúde pública anunciado pelo Governo Federal em junho está se tornando realidade.  Segundo ela, o pacto combina dois esforços: acelerar investimento em obras e compra de equipamentos para postos de saúde e levar mais médicos para trabalhar em regiões carentes. “Em parceria com os municípios, nós já concluímos as obras em mais de 4 mil postos de saúde em todo o país. Agora, estamos fazendo obras de ampliação e de reforma em outros 16.700 postos de saúde, e estamos construindo mais 6.200 postos novinhos em folha. Temos posto sendo construído e reformado em tudo que é canto desse imenso Brasil”, explicou.

Além disso, a presidenta destacou que o programa vai aumentar a formação de médicos no Brasil com 11.500 novas vagas de graduação em Medicina até 2017. “Quase metade dessas vagas serão abertas no Norte e no Nordeste, que são hoje as regiões mais carentes em profissionais médicos”, disse.

Esta semana estão chegando ao Brasil mais 3 mil profissionais cubanos, que vão se juntar a outros 3,6 mil médicos que já estão trabalhando pelo programa no país. “Eles vão atender a população mais desassistida do Brasil, que não tinha acesso a médico permanentemente”, destacou a presidenta, que considera ter um médico perto de casa fundamental para melhorar a saúde da população e reduzir a espera nos hospitais e nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs).

Dilma citou o caso de Dona Alaíde, moradora de Formosa, Goiás, cidade do entorno de Brasília. Mesmo morando em frente a um posto de saúde, a paciente de 75 anos que sofre de diabetes precisava se deslocar para o centro da cidade para se tratar. No entanto, desde o início de setembro, a dona de casa faz o controle de seu diabetes no posto de saúde em frente à sua residência que recebeu a médica Fabíola pelo programa.

A presidenta também mencionou o caso da médica cubana Mirta que está trabalhando em Afogados da Ingazeira, no interior de Pernambuco. A população do município está satisfeita com a presença desta profissional, que presta um atendimento humanizado. “A Dra. Mirta faz um exame completo em cada um dos seus pacientes, pega no braço, mede pressão, escuta o coração, olha tudo, dá atenção ao que o paciente tem para contar”, explicou a presidenta.

Confira a íntegra do Café Com a Presidenta deste dia 04/11/2013

Fonte: Marina Mello / Agência Saúde

Ministério da Saúde realiza consulta para debater os rumos da política de DST, Aids e Hepatites Virais

Blog da Saúde - seg, 04/11/2013 - 16:52

O Ministério da Saúde lança nesta terça-feira (05) em Curitiba (PR) a primeira de uma série de consultas à sociedade civil para debater os rumos da política de enfrentamento das DST, aids e hepatites virais no país. Participam do evento pesquisadores, representantes de movimentos sociais e integrantes das secretarias estaduais e municipais de saúde do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Entre os assuntos em pauta está o novo o novo protocolo de tratamento clínico de adultos, que irá estender o uso de antirretrovirais a todas as pessoas com HIV.

O diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Fábio Mesquita, atende a imprensa as 10 horas desta terça-feira (05)

Consulta Pública sobre os rumos da política de DST, Aids e Hepatites Virais
Data:
05 e 06/11
Local
: Victoria Villas Hotel – Av. Sete de Setembro, 2.448, Centro. Curitiba/PR

Fonte: Agência Saúde

#AgendaMS | Saúde assina acordo para redução de sódio em alimentos industrializados

Blog da Saúde - seg, 04/11/2013 - 16:25

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, e o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (ABIA), Edmundo Klotz, assinam nesta terça-feira (5), em Brasília, quarto acordo para redução de sódio nos alimentos industrializados. O elevado consumo de sódio é um dos fatores de risco para doenças crônicas. Também serão apresentados dados inéditos da pesquisa Vigitel 2012 (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico) sobre a hipertensão arterial no Brasil.

Acordo para redução do sódio com ABIA e divulgação dos dados Vigitel 2012 sobre hipertensão
Data: 05/11 (terça-feira)
Horário: 10h30
Local: Auditório Emílio Ribas
Endereço: Ministério da Saúde – Esplanada dos Ministérios – Bloco G, Térreo – Brasília/DF
A coletiva será transmitida ao vivo pela Webradio Saúde (http://webradio.saude.gov.br/radio/), Blog da Saúde (www.blog.saude.gov.br) e no twitter (@minsaude).

Fonte: Agência Saúde

Vencedores da 13ª EXPOEPI | Avanços no cuidado às vítimas de violência doméstica e sexual

Blog da Saúde - seg, 04/11/2013 - 16:00

Foto: Nicklas Blom/Matton Collection/Corbis

Um dos projetos vencedores da 13ª Mostra Nacional de Experiências Bem Sucedidas em Epidemiologia, Prevenção e Controle de Doenças (Expoepi) veio do município de Campos de Goytacazes (RJ). A cidade, com aproximadamente 500 mil habitantes, registrava por ano cerca de 30 a 40 casos de abuso sexual e violência doméstica. Foi então que a secretaria de saúde desenvolveu um sistema que colocou os assistentes sociais e psicólogos para fazerem a notificação compulsória desses casos, além dos demais profissionais de saúde. “Colocamos o psicólogo para assinar o Sinan (Sistema de informação de Agravos de Notificação) e passamos a ter psicólogos 24h para atender às vítimas. Essa modificação permitiu que nossa notificação passasse de 40 para 600 por ano”, explica Charbell Kury, diretor de Vigilância em Saúde do município e responsável pelo projeto de Integração intersetorial para o acolhimento, notificação e atendimento dos casos de violência doméstica e sexual.

“A saúde começou a debater junto com as delegacias, o IML, a secretaria da infância e juventude, o serviço social através do SUAS (Sistema Único de Assistência Social), escolas e conselhos tutelares uma forma de atender e cuidar melhor das vítimas de violências sexuais e domésticas”, relata Charbell.

F. A. P, uma garota de 20 anos que sofreu abuso sexual em Campos de Goytacazes, recebeu o apoio psicológico que precisava. Ela foi ao hospital buscar os remédios contra DST e Aids por causa da violência que sofreu, quando foi abordada por uma assistente social e orientada a ter um acompanhamento psicológico. Com um comportamento que tentava negar o ocorrido, a consulta fez com que ela trabalhasse o trauma.

“Foi muito importante porque o momento que a gente passa é muito difícil. Ajudou a tira um pouco a culpa que a gente sente. Ajuda a retomar a confiança. Foi difícil falar com ela (a psicóloga), mas depois consegui contar o que passou, como me senti e como me sinto agora. Foi bem importante”,  disse F. A. P., que prefere não revelar o nome.

“Quando não conseguimos contato com o paciente, eu pessoalmente vou fazer a visita domiciliar. Sinto que saem acolhidos, saem mais tranquilos, porque sabem que não estão sós”, comemora Fátima Malena, coordenadora do Capevi – Centro de Atendimento, Pesquisas e Estudos na Área das Violências Doméstica e Sexual – do município.

Viva – As diretrizes e estratégias para as ações de promoção da saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) foram desenvolvidas, em 2006, na Política Nacional de Promoção da Saúde (PNPS). Nela, foi definido que as pessoas que sofrem violência doméstica ou sexual precisam de uma equipe multiprofissional para vencer as sequelas dessa violência. Implantado em 2006, o Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes (Viva) trabalha com o objetivo de coletar dados e gerar informações sobre violências e acidentes para subsidiar políticas em saúde pública.

Os casos de violência doméstica e sexual são de responsabilidade da saúde. Porém, devido à complexidade deste problema, o Ministério da Saúde em parceria com o Ministério da Educação, a Secretaria de Direitos Humanos e mais outros cinco ministérios estão desenvolvendo uma ficha de notificação compulsória de violências para o Sistema Único de Saúde (SUS) e o Sistema Único de Assistência Social (SUAS) para implantar, já em 2014, uma intersetorialidade no atendimento as vítimas dessas violências para todos os municípios.

Lucas Leon / Blog da Saúde

Médicos cubanos chegam a Brasília nesta segunda-feira (4)

Blog da Saúde - seg, 04/11/2013 - 14:39

Arte: Wesley Mcallister/AscomAGU

Um novo grupo de médicos cubanos que participarão do Programa Mais Médicos chega a Brasília nesta segunda-feira (4). Os profissionais desembarcam no Aeroporto Internacional Presidente Juscelino Kubitschek às 22h e serão recebidos pelo pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

Ao todo, três mil médicos cubanos chegam ao País até a próxima semana para ocupar vagas ociosas da segunda etapa do Programa Mais Médicos. Eles ficarão concentrados em cinco capitais – Brasília (DF), Fortaleza (CE), Vitória (ES), Belo Horizonte (MG) e São Paulo (SP) – participando do módulo de acolhimento e avaliação do Mais Médicos. A aprovação no curso é condição para a emissão do registro profissional provisório pelo Ministério da Saúde, sem o qual os médicos estrangeiros não podem atuar no Brasil.

Chegada de médicos cubanos a Brasília
Data:
4/11 (segunda-feira)
Horário: 22h
Local: Aeroporto Internacional Presidente Juscelino Kubitschek

Fonte: Agência Saúde

Times aderem à campanha de combate ao AVC

Blog da Saúde - seg, 04/11/2013 - 13:33

A cada seis segundos, uma pessoa poderá sofrer um Acidente Vascular Cerebral (AVC). Para alertar a população sobre este risco, o Ministério da Saúde, em parceria com as Secretarias Estadual de Saúde da Bahia e de Salvador, além da Academia Brasileira de Neurologia e Sociedade Brasileira de Doenças Cerebrovasculares e Rede Brasil AVC, fechou parceria com os jogadores do clube de futebol Vitória da Bahia e do Corinthians.

Neste domingo (03), em Salvador, durante a 32ª rodada do Campeonato Brasileiro contra o time paulista, o Corinthians, os jogadores da equipe paulista entraram em campo carregando a faixa da campanha de combate ao AVC e o time baiano entrou vestido com a camisa da ação, juntamente com outros profissionais da saúde empenhados nesta iniciativa. A partida aconteceu às 17 horas (horário de Brasília), no estádio Manoel Barradas, conhecido como Barradão, em Salvador (BA).

Para encerrar a semana do Dia Mundial de Combate ao Acidente Vascular Cerebral, o Ministério da Saúde, com apoio das entidades parcerias, organizou outras mobilizações como a “Terceira caminhada do Hospital Geral Roberto Santos – rumo a qualidade de vida”.  Desde as 8 horas deste domingo, alunos e profissionais do Hospital Geral Roberto Santos e outras entidades promoveram, no Dique do Tororó, a ação denominada “Todos juntos podemos evitar o AVC”, com objetivo de alertar a população sobre os riscos da doença. O evento contou com aferição da pressão arterial, da glicose e o cálculo do Índice de Massa Corpórea (IMC).

Prevenção – O Acidente Vascular Cerebral (AVC) mata cerca de 100 mil pessoas por ano no país e milhares no mundo. O Ministério da Saúde investe em estratégias para prevenção do Acidente Vascular Cerebral e oferta tratamento para a recuperação e manutenção da qualidade de vida, além de proporcionar cuidados e apoio adequados em longo prazo.

Atualmente, 21 hospitais estão habilitados como Centro de Atendimento ao AVC, num total de 218 leitos específicos para atendimento ao AVC junto ao Sistema Único de Saúde (SUS). Com a ampliação do diagnóstico precoce e do atendimento dentro da Rede de Atenção às Urgências é possível reduzir a mortalidade por causa desta doença.

Entre os anos 2000 e 2010 a mortalidade em pacientes com idade abaixo dos 70 anos foi reduzida em 32,6%, saindo de 27,3 mortes para 18,4 para cada 100 mil habitantes.

Apoio - Os dados refletem ainda o aumento no investimento na prevenção e controle dos fatores de riscos. Até 2014, o Ministério as Saúde deve investir R$ 437 milhões para o atendimento em AVC, sendo R$ 370 milhões destinados à criação de novos leitos específicos. Outros R$ 96 milhões serão investidos na compra do medicamento trombolítico (como Alteplase) capaz de reduzir em até 30% o risco de sequelas e 18% a mortalidade.

Fonte: Maressa Ribeiro / Agência Saúde

“Dietas milagrosas” podem trazer sérios riscos à saúde, afirma nutricionista do HFL

Blog da Saúde - seg, 04/11/2013 - 11:00

Foto: Andrea Bricco/Corbis

Muitas pessoas vivem atrás de dietas que prometem resultados milagrosos, rápidos e que não exigem muito esforço. Entretanto, seguir esses cardápios muitas vezes restritivos pode prejudicar o organismo e trazer uma série de riscos à saúde. “Na realidade, a melhor opção é uma mudança no hábito alimentar, ter uma alimentação rica em nutrientes, fibras e vitaminas, acompanhada da prática regular de exercício físico. Não existe dieta milagrosa e sim uma reeducação, que deve ser orientada por um profissional. Além disso, a redução da ingestão de certos alimentos pode levar à chamada cetose, que causa mau hálito, náuseas, mal estar e um gosto desagradável na boca.”, explica o nutricionista do Hospital Federal da Lagoa (RJ), Felipe Rizzetto.

Quem deseja seguir uma dieta deve procurar um especialista em nutrição para definir os objetivos realísticos de perda de peso, que devem privilegiar a saúde e não os resultados imediatos. O ideal é reaprender a se alimentar. Rizzeto alerta sobre algumas dietas milagrosas e os perigos que elas podem trazer às pessoas.

Dieta das proteínas – Nesta dieta, fontes de carboidratos – principalmente massas, pães, doces e açúcares – são excluídas do cardápio. Em compensação, é livre a ingestão de carnes e outras fontes de proteínas como ovos e maionese, além de outras gorduras. Um dos perigos iminentes é a diminuição do nível de vitaminas e minerais no organismo, já que é proibida a ingestão de frutas. O consumo excessivo de gorduras também pode ocasionar aumento do colesterol e triglicerídeos. A dieta das proteínas pode gerar sintomas de fraqueza, cansaço, dores de cabeça e mau hálito. Se feita a longo prazo, pode trazer até problemas cardiovasculares.

Dieta dos pontos – Esta dieta consiste em anotar tudo o que se consome durante o dia, considerando que cada alimento tem uma pontuação. O controle é rigoroso, sendo a pessoa encorajada a calcular o valor total ingerido diariamente – respeitando o limite estabelecido. O grande problema desta dieta é que ela não incentiva a reeducação alimentar, fazendo com quem a segue coma de tudo, deixando de lado o equilíbrio nutricional. Além disso, ela pode provocar carência de nutrientes essenciais ao organismo.

Dieta dos sumos – Neste caso, a pessoa só pode ingerir frutas e legumes, preferencialmente em forma de sumos. Alternativamente, pode-se comer os mesmos alimentos em forma natural. O que pode acontecer: a diminuição da massa muscular, o que não é necessariamente positivo. Além disso, sintomas como cansaço, mal estar e sensação de má digestão podem aparecer.

Dieta da sopa – Durante a dieta, só é permitido consumir líquidos, sejam eles quentes ou frios. Normalmente, as pessoas ainda usam sopas artificiais. Deste modo, há uma baixa ingestão calórica e nutricional, causando o aumento do cansaço, sonolência e uma desnutrição a nível energético e proteico.

Fonte: Érica Santos / Agência Saúde

Programa de rádio Café com a Presidenta faz balanço do Mais Médicos

Blog da Saúde - seg, 04/11/2013 - 10:32

Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

A presidenta da República, Dilma Rousseff, fez um balanço do Mais Médicos no programa de rádio Café com a Presidenta desta segunda-feira (04). Dilma falou das ações do governo federal para levar mais médicos para atender à população das periferias das grandes cidades e do interior do Brasil.

“É uma grande alegria falar sobre o Programa Mais Médicos, porque esse programa é o pacto pela saúde pública se tornando realidade e melhorando a vida das pessoas”, afirmou a presidenta. Dilma destacou ainda a chegada de mais 3 mil médicos estrangeiros até o final de novembro. “Eles vão se somar àqueles médicos que chegaram em julho e setembro e vão atender a população mais desassistida do Brasil, que não tinha acesso a médico permanentemente”, complementou.

A presidenta ressaltou que, “até o final do ano de 2013, nós teremos cerca de 6.600 médicos do Programa Mais Médicos atendendo a população, e isso equivale a um atendimento, aproximadamente, a 23 milhões de pessoas”.

Ouça o programa completo aqui:

;
Blog da Saúde

Uso de cotonetes é contraindicado para realizar limpeza interna dos ouvidos, diz médica

Blog da Saúde - seg, 04/11/2013 - 09:00

Foto: Ocean/Corbis

Você sabia que limpar os ouvidos com cotonete pode causar uma série de lesões ao órgão? Além disso, eles podem provocar doenças como otites e infecções na membrana timpânica, chegando até a perfurar o tímpano, em alguns casos. Para a maior parte da população, higienizar a parte interna do ouvido com as hastes flexíveis é um ato corriqueiro. Entretanto, a otorrinolaringologista do Grupo Hospitalar Conceição (RS), Caroline Mello, alerta para os perigos desta ação. “É contraindicado. O cotonete pode machucar e causar lacerações, como otites externas e inflamações. Quando usado internamente, ele pode ajudar a empurrar a cera para o fundo, e essa cera só é removida com uma lavagem feita no consultório”, afirma.

Ao fazer a higienização, muitas vezes o indivíduo tenta retirar a cera do ouvido por completo. Ocorre que essa secreção tem como principal função proteger o órgão. “Ela é produzida por glândulas do canal auditivo mais externo, sendo produzida e expelida normalmente. A cera não deixa que microrganismos nocivos, insetos ou partículas de areia entrem no ouvido e causem dados aos tímpanos. Por isso, é fundamental não retirá-la por completo e nem empurrá-la para o fundo”, orienta a especialista.

Caroline diz ainda que existem maneiras alternativas de retirar o cerúmen, como também é chamada a cera. “Caso a pessoa sinta que está com um excesso de secreção, deve utilizar a ponta da toalha e fazer a limpeza logo após o banho, limpando somente até onde o dedo alcança, sem forçar. Assim, a cera não vai chegar aos tímpanos e evita-se uma serie de lesões”, orienta.

Quando seca ou acumulada, a cera pode causar sintomas desconfortáveis – como coceira e secreção nos ouvidos. Em alguns casos, essa sensação de incômodo pode ser causada por fungos ou por uma inflamação na pele do canal do ouvido, conhecida como dermatite. Nesses casos, um especialista deve ser procurado.

A dermatite causada no ouvido apresenta praticamente os mesmos sintomas da  caspa do couro cabeludo, entretanto a cera é seca, escamosa e abundante. Pessoas diagnosticadas com dermatite melhoram muito o quadro quando diminuem a ingestão de alimentos ricos em gordura, açúcar e sal.

Fonte: Érica Santos / Agência Saúde

Mais 3.000 médicos cubanos chegam ao país a partir desta segunda-feira

Blog da Saúde - sab, 02/11/2013 - 10:27

A partir de segunda-feira (4), mais 3.000 profissionais cubanos chegam ao Brasil para ocupar vagas ociosas da segunda etapa do Programa Mais Médicos. O primeiro grupo, de 2.600 médicos, desembarca no país até o dia 10 de novembro nas capitais onde vão cursar o módulo de avaliação do programa. Outros 400 chegam na semana seguinte.

Esses profissionais serão alocados em postos não preenchidos por candidatos brasileiros e demais estrangeiros do Mais Médicos. A previsão é que os 3.000 comecem a atuar nos municípios em dezembro. Com esse reforço, o programa deverá beneficiar mais 10,3 milhões de pessoas que vivem em regiões carentes onde faltam médicos, como o interior e as periferias de grandes cidades.

“Enquanto houver brasileiros sem médico, vamos continuar trazendo profissionais para atuar no programa. O Mais Médicos é um primeiro passo para uma grande transformação na saúde do país. A melhoria da assistência em atenção básica aumenta o controle de doenças crônicas, reduz a mortalidade materna e as filas nos hospitais”, afirma o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

A meta do Governo Federal é atender a demanda por 12.996 médicos até março de 2014. Novas seleções serão abertas em 2013. Atualmente, 3.664 profissionais participam do programa, sendo 819 brasileiros e 2.845 estrangeiros. Esses médicos estão atendendo a população de 1.098 municípios e 19 distritos indígenas, a maioria deles no Norte e Nordeste do país.

Com a chegada dos cubanos, o programa fechará 2013 com mais de 6.600 profissionais. O Mais Médicos, que hoje já atinge 12,6 milhões de brasileiros, vai impactar, já em seu primeiro ano, na assistência em saúde de mais de 22,7 milhões de pessoas.

Os profissionais cubanos participam do Mais Médicos por meio de cooperação firmada entre o Ministério da Saúde e a Organização Pan-Americana da Saúde em agosto de 2013. A distribuição deles aos municípios segue critérios técnicos, dando igual prioridade às cidades em que é maior a parcela de pessoas dependente completamente do atendimento ofertado pelo SUS e àquelas com alto percentual da população em situação de pobreza, conforme classificação do IBGE.

AVALIAÇÃO –Os 2.600 médicos cubanos que desembarcam no país na próxima semana participam, a partir do dia 12 de novembro, das três semanas do módulo de acolhimento e avaliação em quatro capitais. Serão 1.872 profissionais em Brasília (DF), 300, em São Paulo (SP), 236, em Fortaleza (CE) e 192 médicos em Belo Horizonte (MG).

Outros 400 médicos chegarão a Vitória (ES), a partir do dia 11 de novembro, e farão o curso em Guarapari entre 18 de novembro e 4 de dezembro. A aprovação nesta etapa é condição para todos os estrangeiros participantes do programa receber o registro profissional provisório e começar a atender a população nas Unidades Básicas de Saúde.

Além das três semanas de avaliação, os profissionais ficam em treinamento por uma semana nos estados onde vão atuar. Durante esse período, eles estudam as doenças mais comuns da região e conhecem a estrutura hospitalar e de emergência da rede pública.

Em outubro, com a sanção da Lei do Mais Médico pela presidenta Dilma Rousseff, a competência para emissão dos registros dos profissionais estrangeiros e brasileiros formados no exterior passou a ser do Ministério da Saúde, mantendo a responsabilidade da fiscalização com os Conselhos Regionais de Medicina.

O Ministério da Saúde concedeu registro a 1.949 médicos estrangeiros participantes do programa nas últimas duas semanas. E, neste sábado (2), foi publicada portaria no Diário Oficial da União para emissão do documento para mais 565 profissionais, distribuídos em 336 municípios e 6 distritos indígenas. Outros nomes serão publicados na próxima semana.

A portaria determina a expedição das carteiras de identificação aos profissionais. Até que fique pronta a cédula de identidade médica produzida pela Casa da Moeda, os médicos recebem uma declaração com autorização para exercer a medicina exclusivamente no âmbito do programa. Eles só poderão atender na atenção básica e nos municípios para que foram designados. Ou seja, o trabalho ocorrerá apenas na atenção básica da rede pública.

SOBRE O PROGRAMA –Lançado em 8 de julho pelo Governo Federal, o Mais Médicos faz parte de um amplo pacto de melhoria do atendimento aos usuários do SUS, com objetivo de acelerar os investimentos em infraestrutura nos hospitais e unidades de saúde e ampliar o número de médicos nas regiões carentes do país.

Os profissionais do programa recebem bolsa de R$ 10 mil por mês e ajuda de custo pagos pelo Ministério da Saúde. Os municípios ficam responsáveis por garantir alimentação e moradia aos selecionados. Como definido desde o lançamento, os brasileiros têm prioridade no preenchimento dos postos apontados e as vagas remanescentes são oferecidas aos estrangeiros.

Todos os profissionais cursam durante sua participação no Mais Médicos especialização em atenção básica, oferecida pela Universidade Aberta do SUS (Una-SUS), na modalidade de educação a distância. O acompanhamento das atividades acadêmicas desses médicos é feito por tutores e supervisores vinculados às universidades públicas que aderiram ao programa.

Por Newton Palma, da Agência Saúde.

#MaisMédicos | “Se não tem atenção básica, as pessoas acabam lotando os hospitais”

Blog da Saúde - sex, 01/11/2013 - 14:00

A diarista Rita de Cássia, 53 anos, sofria há anos com varizes na perna. Uma das veias estava muito inflamada e corria o risco de virar uma trombose. Faltava apenas uma reavaliação de urgência para ser encaminhada à cirurgia. Esta reavaliação feita pelo Dr. Ector, médico que chegou ao posto de saúde Vila Lalau, no município de Jaraguá do Sul (SC) pelo programa Mais Médicos. Agora com a cirurgia marcada está mais aliviada. “Achei ele muito prestativo, a gente sente que ele tem a intenção de ajudar. Não tenho absolutamente nada para reclamar. Acho que se trouxessem mais doutores como esse nossa situação melhoraria muito”, afirma Rita de Cássia.

Mexicano de 31 anos, o Dr. Ector Leon Romero chegou há um mês à cidade no interior de Santa Catarina.  Com aproximadamente 156 mil habitantes, Jaraguá do Sul conta agora com um reforço de quatro profissionais do Mais Médicos. O posto de saúde da Vila Lalau, na região central da cidade, há sete meses sem médico, foi o escolhido para o Dr. Ector trabalhar.

Enquanto o médico mexicano esperava a emissão do seu registro profissional pelo Conselho Regional de Medicina (CRM), cerca de 80 pessoas procuraram o posto para diferentes demandas. Por isso, o médico tomou a decisão de primeiro zerar a fila de espera antes de começar os novos atendimentos. E em menos de mês, a fila estava zerada. “A comunidade o aceitou muito bem. A falta de médicos neste posto, por ser numa região central, acabava sobrecarregando o hospital municipal”, conta Fabiana Muller, técnica de projetos e programas da Secretaria Municipal de Saúde da cidade.

“Uma mulher de 60 anos com uma infecção urinária leve chegou aqui no posto. Se não tem atenção básica, as pessoas acabam lotando os hospitais. E, neste caso, pude tratá-la aqui mesmo. É bom para o paciente, mas também é bom para o Brasil, para o estado como um todo”, relata o médico estrangeiro.

Dr. Ector conta que, depois de formado, teve que trabalhar no México durante um ano com atenção básica. “Só é possível tirar o diploma de medicina com um ano na atenção básica de alguma cidade. Vale para todos os estudantes do México”, explica Ector.  Ele crê que a iniciativa do programa é muito boa e a atenção básica é a prioridade na saúde.

Programa – No dia 22 de outubro, a Lei do Mais Médicos foi sancionada pela presidenta da República, Dilma Rousseff. O programa faz parte de um amplo pacto de melhoria do atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), com objetivo de acelerar os investimentos em infraestrutura nos hospitais e unidades de saúde e ampliar o número de médicos nas regiões carentes do país.

O Governo Federal está investindo, até 2014, R$ 15 bilhões na expansão e na melhoria da rede pública de saúde de todo o Brasil. Deste montante, R$ 7,4 bilhões já estão contratados para construção de 818 hospitais, 601 Unidades de Pronto Atendimento (UPAs 24h) e de 16 mil unidades básicas. Outros R$ 5,5 bilhões serão usados na construção, reforma e ampliação desses estabelecimentos e saúde, além de R$ 2 bilhões para 14 hospitais universitários.

Lucas Leon / Blog da Saúde

Atividades físicas durante a gravidez são benéficas à mãe e ao bebê

Blog da Saúde - sex, 01/11/2013 - 13:00

Foto: JGI/Jamie Grill/Blend Images/Corbis

A prática de atividades físicas durante a gravidez é importante e traz benefícios tanto para a mulher quanto para o bebê. Para a futura mamãe, ajuda no bem-estar físico e mental durante os nove meses, prepara para o esforço do parto e ainda contribui para o corpo a voltar à forma depois que o bebê nascer.

“Atividade física durante a gravidez é uma medida preventiva que busca impedir diabetes gestacional, pré-eclâmpsia, trombose e outras morbidades gestacionais. Uma boa opção é a caminhada, durante meia hora, cinco vezes por semana”, observa Milber Fernandes Guedes Junior, obstetra e chefe da Unidade Materno-Fetal do Hospital Federal dos Servidores do Estado (HSE), no Rio de Janeiro (RJ). “Quando a paciente já tem o hábito da prática esportiva,  recomendo apenas que ela se adapte à nova situação. Já para a gestante sedentária, que vai iniciar uma atividade física, indico a partir do segundo trimestre”, completa o médico.

Fernandes ressalta que, como a atividade física durante a gestação é boa para a mãe, consequentemente, traz benefícios para o bebê. “Já que viabiliza boas condições intrauterina, a atividade física materna impede alterações metabólicas, diminuindo o risco do bebê nascer prematuro ou com sobrepeso”, explica.

Não existe um único tipo de exercício ideal para a gestante. A escolha deve levar em conta a adaptação ao exercício e bem-estar. “Qualquer atividade física é bastante interessante. A hidroginástica e a musculação podem ser combinadas com a caminhada”, orienta o obstetra. No entanto, exercício físico de alto impacto, ou esportes de contato físico e risco de trauma devem ser evitados pelas futuras mamães. E há alguns casos em que as atividades físicas durante a gestação são contraindicadas, como históricos de partos prematuros ou abortamentos repetidos, incompetência cervical ou placenta prévia.

Mãe de três filhos, a fotógrafa do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Magda Fernanda procura manter-se sempre ativa. Atualmente ela faz treinamento personalizado com a equipe do Programa de Melhoria da Qualidade de Vida no MS, Geração Saúde (CAS/CGESP/SAA/SE). Mas, durante a gravidez, Magda dá preferência à pratica da yoga. “Essa atividade me ajuda a deixar o corpo inteiro mais flexível e tonifica os músculos com pouco ou quase nenhum impacto nas articulações. A prática regular também é excelente para a rápida recuperação pós-parto”, justifica.

Foto: Corbis

O chefe da Unidade Materno-Fetal do HSE conta que  atividades isométricas para a musculatura abdominal já podem ser iniciadas dois ou três dias após o parto. Para outras atividades, ele ressalta que o ideal é esperar 20 dias pós puerpério. No entanto, Milber Fernandes adverte que atividades excessivas podem diminuir a quantidade de leite materno.  “Puérperas que exageram na quantidade de atividade física, têm grande chance de diminuir a produção de leite e prejudicar a amamentação. Atletas profissionais, por exemplo, como voltam rápido ao treinamento de alta performance, param de amamentar cedo”, exemplifica.

Feminino fortalecido – E o sexo durante a gravidez machuca o bebê ou atrapalha o desenvolvimento da gestação? A coordenadora da área técnica de Saúde da Mulher do Ministério da Saúde, Esther Vilela, destaca que, quando não é uma gravidez de risco, não existe restrição para as relações sexuais durante os nove meses de gestação. “A relação sexual deve ser estimulada e exercitada até o momento do parto. Nas culturas mais tradicionais, como nos indígenas, é dito que é a relação sexual que alimenta uma gravidez. Isto porque, quanto mais relação com o parceiro a grávida tem, mais o lado feminino é fortalecido. Isto tanto é bom para a mãe, quanto para o bebê e o casal”, explica Esther Vilela. Além disso, em condições normais de gestação, o sexo não machuca o bebê, pois ele está protegido dentro do útero.

Fonte: Ana Paula Ferraz / Agência Saúde

Saúde amplia radioterapia em 22 estados e no Distrito Federal

Blog da Saúde - sex, 01/11/2013 - 12:48

O Ministério da Saúde concluiu mais uma etapa do processo de ampliação da oferta de serviços de radioterapia no país. O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, divulgou nesta sexta-feira (1/11), o resultado da compra de 80 aceleradores lineares que serão distribuídos para atender a população de 63 municípios, localizados em 22 estados e no Distrito Federal. Os equipamentos ampliarão em 25% a oferta de radioterapia no Sistema Único de Saúde (SUS). O edital também prevê a instalação de uma fábrica no país, que produzirá equipamentos para abastecer o mercado nacional.

Confira os estados que irão receber os aceleradores lineares:

Acre | Alagoas | Amapá | Amazonas | Bahia | Ceará | Distrito Federal | Goiás | Maranhão | Mato Grosso | Mato Grosso do Sul | Paraíba | Paraná | Pernambuco | Piauí | Rio de Janeiro | Rio Grande do Sul | Rondônia | Roraima | Santa Catarina | São Paulo | Sergipe | Tocantins

“Já que estamos fazendo a maior compra de equipamentos de radioterapia que o mundo inteiro está vendo, exigimos que quem ganhasse o pregão construísse uma fábrica de aceleradores linear no Brasil. Queremos a transferência da tecnologia deste equipamento para pesquisadores brasileiros, para jovens brasileiros, para gerar emprego aqui neste país e informação tecnológica para nossos pesquisadores”, destacou o ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Ele participou nesta sexta-feira (1º) da cerimônia de comemoração de um ano de funcionamento da Unidade Avançada de Insuficiência Cardíaca (UAIC) do Hospital Sírio Libanês. A UAIC é direcionada ao atendimento e tratamento especializado de pacientes graves e também abriga o projeto Coração Novo, que integra a excelência em Cardiologia do Hospital Sírio-Libanês com os projetos do Programa para o Desenvolvimento Institucional do SUS (Proadi-SUS), mantidos em parceria com o Ministério da Saúde.

Os aceleradores lineares são equipamentos de alta tecnologia usados para o tratamento de pessoas com câncer. Além de ampliar a assistência, o edital do Ministério da Saúde alcançou a economia de R$ 176 milhões na compra dos equipamentos. O valor final ficou em R$ 119,9 milhões. A vencedora do pregão foi a empresa norte-americana Varian Medical Systems, que atua em radioterapia há 65 anos, sendo fabricante mundial de dispositivos médicos, e de software de tratamento de câncer.

“Nós sabemos que o Brasil tem uma grande demanda, até porque a previsão que nós temos é de um aumento anual dos números de casos de câncer, a expectativa, a projeção do INCA é que a gente venha ter 500 mil novos casos de câncer, e nós vimos que precisávamos expandir fortemente os serviços de radioterapia. Atualizar os que já existem e expandir, especialmente para a região Norte e Nordeste, e interior das regiões Sul e Sudeste no nosso país”, acrescentou Padilha.

A definição dos locais que receberão os 80 aceleradores foi feita em conjunto com as secretarias estaduais e municipais de saúde, baseado em critérios, como: necessidade global de radioterapia nos estados, número estimado de casos novos anuais de câncer, oferta de serviços existentes e percentuais estaduais de cobertura do sistema de saúde suplementar. Receberão os equipamentos os estados do Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Sergipe, Acre, Amapá, Amazonas, Rondônia, Roraima, Tocantins, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Rio de Janeiro, além do Distrito Federal.

Obras - Após a assinatura do contrato, a Varian terá 90 dias para apresentar o primeiro lote que contempla 17 projetos. Ao todo, serão realizadas obras de criação de 41 serviços de radioterapia em cidades que não disponibilizam esses equipamentos aos pacientes do SUS e a ampliação de outros 39 serviços existentes. Após a entrega dos projetos pela empresa, o Ministério da Saúde abrirá concorrência para contratação de empresa de engenharia para a execução das obras físicas. Será uma licitação para cada lote, num total de quatro lotes. Os novos aparelhos devem ser instalados no próximo ano, quando as obras de criação ou ampliação serão finalizadas.

Fábrica – Para estimular e abastecer o mercado nacional, o Ministério da Saúde fixou como exigência à empresa vencedora a instalação de uma fábrica no Brasil para a produção dos aparelhos num prazo de cinco anos. A empresa terá que capacitar fornecedores brasileiros para garantir que o produto final tenha 40% de partes, peças, acessórios e software confeccionados no Brasil.

Assistência – Atualmente, o SUS conta com 248 equipamentos de radioterapia distribuídos em 155 serviços, que são responsáveis por 9,6 milhões de sessões de radioterapia por ano. Com a nova aquisição, a população passar a contar com 328 equipamentos e 196 serviços, com capacidade para a realização de 13 milhões de sessões por ano. A radioterapia, juntamente com outras técnicas, é indicada para tratamento do câncer, que representa a segunda maior causa de mortes no país. São cerca de 500 mil casos novos por ano no Brasil

A aquisição dos aceleradores lineares faz parte do Programa de Fortalecimento do Combate ao Câncer de Mama e de Colo de Útero, lançado em 2011 pela Presidência da República.  No ano passado, o SUS ampliou em 22% os recursos para assistência oncológica no país. O Ministério da Saúde fechou 2012 com investimento de R$ 2,2 bilhões no setor – em 2010, o valor foi de R$ 1,8 bilhão.

Fonte: Amanda Costa / Agência Saúde

#MaisMédicos | Ministério da Saúde concede registros de 1.269 médicos estrangeiros

Blog da Saúde - sex, 01/11/2013 - 12:12

O Ministério da Saúde concedeu os primeiros registros aos profissionais estrangeiros que participam da segunda etapa do Programa Mais Médicos. A lista com os 1.269 nomes e as cidades onde eles farão os atendimentos foi publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira (1º). Esses médicos, que estão distribuídos em 585 municípios e sete distritos indígenas, maioria no Nordeste (61%), começam a atender a população a partir do dia 4 de novembro.

Na próxima semana, mais médicos receberão o registro profissional para atuar pelo programa, totalizando 2.165. Este grupo se junta aos 1.499 médicos que já estão em atividades em todos os estados do país, sendo 819 brasileiros e 680 estrangeiros. Com isso, o Mais Médicos, em novembro, levará assistência a mais de 12,6 milhões de pessoas que vivem no interior e nas periferias dos grandes centros.

“Esse é um primeiro passo para uma profunda mudança na saúde do país. Sabemos da importância de um médico próximo da população e do impacto que têm a melhoria da assistência em atenção básica. Mais de 80% dos problemas de saúde podem ser resolvidos nesta área de atendimento sem necessidade de encaminhar o paciente para um hospital”, destacou o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

Todos os profissionais estrangeiros participantes do programa tiveram seus conhecimentos em Língua Portuguesa e nos protocolos de atenção básica do SUS avaliados por três semanas. Além de passar uma semana na capital dos estados conhecendo os problemas comuns de cada região onde atenderão à população. A aprovação nessa etapa é condição para receber o registro profissional e começar o atendimento nas Unidades Básicas de Saúde.

Registro – Em outubro, com a sanção da Lei do Mais Médico pela presidenta Dilma Rousseff, a competência para emissão dos registros dos profissionais estrangeiros e brasileiros formados no exterior passou a ser do Ministério da Saúde, mantendo a responsabilidade da fiscalização com os Conselhos Regionais de Medicina.

Na semana passada todos os 680 médicos da primeira fase, incluindo os 196 que ainda não tinham obtido registro provisório junto aos conselhos regionais de Medicina, receberam o aval para participar do programa. Os profissionais tiveram os registrados concedidos pelos CRMs cancelados e substituídos pelo documento emitido pelo Ministério da Saúde.

A portaria publicada nesta sexta-feira também determina a expedição das carteiras de identificação aos profissionais. Até que fique pronta a cédula de identidade médica produzida pela Casa da Moeda, os médicos recebem uma declaração com autorização para exercer a medicina exclusivamente no âmbito do programa. Eles não poderão atender em qualquer unidade de saúde que não aquela para que foi designado. Ou seja, o trabalho ocorrerá apenas na atenção básica da rede pública.

O programa – Lançado em 8 de julho pelo Governo Federal, o Mais Médicos faz parte de um amplo pacto de melhoria do atendimento aos usuários do SUS, com objetivo de acelerar os investimentos em infraestrutura nos hospitais e unidades de saúde e ampliar o número de médicos nas regiões carentes do país.

Os profissionais do programa recebem bolsa de R$ 10 mil por mês e ajuda de instalação pagos pelo Ministério da Saúde. Os municípios ficam responsáveis por garantir alimentação e moradia aos selecionados. Como definido desde o lançamento, os brasileiros têm prioridade no preenchimento dos postos apontados e as vagas remanescentes são oferecidas aos estrangeiros.

Fonte: Newton Palma / Agência Saúde

Museu da Vida sedia o Simpósio Diálogos entre Ciência, Saúde e Sociedade

Blog da Saúde - sex, 01/11/2013 - 11:30

O Museu da Vida promove no dia 18 de novembro, das 9h às 16h, o simpósio Diálogos entre Ciência, Saúde e Sociedade, na Tenda da Ciência. O evento busca promover a troca de saberes, ideias e experiências entre diferentes áreas, como comunicação, educação e ciências sociais.

Serão realizadas duas mesas-redondas, que discutirão temas como a relação entre cinema e educação, a divulgação científica e o uso de diferentes mídias na sala de aula, controvérsias da ciência na Wikipedia, caminhos e descaminhos da divulgação científica em sua relação com a sociedade.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas até 8 de novembro pelo e-mail museudavida@fiocruz.br, informando nome, telefone e e-mail do participante. As inscrições prévias para o evento garantem o recebimento de certificado. O evento é gratuito e aberto ao público.

Serviço
Simpósio Diálogos entre Ciência, Saúde e Sociedade
Data: 18 de novembro de 2013
Horário: 9h às 16h
Local: Tenda da Ciência do Museu da Vida
Av. Brasil, 4365 – Manguinhos – Rio de Janeiro (perto da passarela 6 e dentro do campus da Fiocruz)

Fonte: Fiocruz

#EntrevistaMS | “O Mais Médicos impulsiona a melhoria da infraestrutura e da qualidade da atenção básica”

Blog da Saúde - sex, 01/11/2013 - 09:41

Arte: Wesley Mcallister/AscomAGU

O Mais Médicos foi tema do programa de rádio Brasil em Pauta desta sexta-feira (1º), que teve como convidado o secretário de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Mozart Sales.

“O programa Mais médicos faz parte de uma concepção maior que envolve recursos na ordem de R$ 5,7 bilhões para melhorar a infraestrutura da atenção básica. Nós estamos reformando e ampliando cerca de 11 mil unidades básica de saúde e repassando recursos aos municípios para construção de 6 mil novas unidades. O que vai agregar uma melhoria significativa da infraestrutura”, explicou o secretário Mozart durante entrevista.

Segundo o secretário do Ministério da Saúde, o Mais Médicos é um programa de ciclo contínuo que visa “atender as necessidades estabelecidas pelos municípios brasileiros e aquilo que a população brasileira vinha reivindicando, que era a importância da participação do profissional médico, de ter o profissional médico como uma melhoria da qualidade do acesso dessa população aos serviços de saúde”.

Programa – O Brasil em Pauta é produzido e coordenado pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, e transmitido ao vivo pela NBR TV e no mesmo canal de satélite de A Voz do Brasil, das 8h às 9h, horário de Brasília. O programa de rádio traz sempre um representante do governo federal para tratar de temas ligados direta ou indiretamente à vida do cidadão. Veiculado uma vez por mês, apresenta entrevistas com secretários-executivos, gerentes de programas, diretores de empresas e autarquias e técnicos. O programa foi criado com o objetivo de dar transparência e de ampliar o acesso da população a informações sobre projetos e ações do Governo Federal.

Confira a entrevista completa ao programa Brasil e Pauta:

;
Blog da Saúde

Ministro da Saúde explica medidas para fortalecer as Santas Casas e os hospitais filantrópicos

Blog da Saúde - qui, 31/10/2013 - 19:49

Os hospitais filantrópicos e Santas Casas são responsáveis por 41% das internações realizadas no Sistema Único de Saúde (SUS). E para fortalecer a atução dessas instituições na assistência a pacientes atendidos no SUS, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, apresentou nesta quinta-feira (31), em Brasília, um pacote de medidas, entre elas a Lei 12.873. Sancionada nesta semana pela Presidência da República, a lei cria o programa para renegociação de dívidas das Santas Casas junto à União – PROSUS.

Além disso, o Ministério da Saúde aumentou o incentivo pago às santas casas e instituições filantrópicas para garantir o atendimento, que irá gerar impacto financeiro de R$ 1,7 bilhão em 2014. Essas ações permitem aumentar em 236 mil o número de cirurgias realizadas por estas instituições anualmente no SUS.

Ministro da Saúde, Alexandre Padilha, explica as medidas de apoio a Santas Casas e hospitais filantrópicos:

Alexandre Padilha falou das ações do governo para fortalecer a saúde pública. Entre elas, o programa Mais Médicos e o apoio financeiro às Santas Casas e hospitais filantrópicos:

“Santas Casas vão se organizar para atender ao que o município, estado e região mais precisam”, destacou o ministro da Saúde:

“Não existiria o SUS se não existissem as Santas Casas”, falou o ministro durante o anúncio das medidas de fortalecimento das Santas Casas:

 

Blog da Saúde

#AgendaMS | Ministério da Saúde anuncia compra de aceleradores lineares

Blog da Saúde - qui, 31/10/2013 - 17:11

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, anuncia nesta sexta-feira (1º), em São Paulo, a compra de 80 aceleradores lineares, equipamento utilizado no tratamento de câncer que ampliará o acesso ao tratamento de radioterapia no país. O anúncio será feito durante cerimônia de celebração de um ano da Unidade de Insuficiência Cardíaca do Hospital Sírio Libanês.

Anúncio da compra de 80 aceleradores lineares para serviços de radioterapia

Data: 01/11
Horário: 10 horas
Local: Instituto Sírio Libanês de Ensino e Pesquisa – Anfiteatro
Endereço: Rua Cel. Nicolau dos Santos, 69, Bela Vista  – São Paulo – SP

Fonte: Agência Saúde

Divulgar conteúdo