Quer conhecer junto? Formação interprofissional em saúde nas graduações da USP (São Paulo)

Primary tabs


8votos

Quer conhecer junto? Formação interprofissional em saúde nas graduações da USP (São Paulo)

RodrigoASS is offline

No cenário atual internacional, a Educação Interprofissional (EIP) é reconhecida como componente de mudanças preconizadas na formação dos profissionais de saúde e na atenção à saúde, que têm por finalidade aumentar a resolubilidade da rede de serviços e a qualidade da assistência e cuidado à saúde.

A literatura sobre EIP aponta que a formação dos profissionais deve contemplar tanto a construção da identidade profissional específica de cada área, quando o aprendizado compartilhado com estudantes de outras áreas.

Assim, EIP busca desenvolver competências que envolvem conhecimento, habilidades e atitudes para o trabalho em equipe de saúde, centrado nas necessidades de saúde dos usuários dos serviços e população, com colaboração entre os diferentes profissionais.

Pensando nisso, a discussão da disciplina: Prática, Educação e Formação Interprofissional em Saúde, durante o período de 24/07/2017 a 28/07/2017, serão utilizadas diferentes estratégias de ensino, como: seminários; discussões sobre os imaginários das profissões de saúde; estudos e discussão de casos em equipe; visitas às unidades básicas de saúde e às unidades hospitalares do HC; relatos de experiências por meio de varais sobre a formação para o trabalho em equipe e prática interprofissional.

Durante essa semana de atividades de formação interprofissional, alunos de nove diferentes áreas profissionais serão estimulados a conhecerem, visitarem e contribuírem com a Rede HumanizaSUS.

 

Docentes coordenadoras: Profa. Dra.Valéria Leonello e Profa. Dra. Fátima Corrêa Oliver 

 8 COMENTÁRIOS

Sérgio Aragaki is offline

Importantíssimo!!! Aguardaremos com muita expectativa os relatos!

Abraço,

Sérgio

Maria Luiza Carrilho Sardenberg is offline

Concordo com o Sérgio Aragaki: importantíssimo!

Um dos princípios mais caros ao trabalho em saúde é a transdisciplinaridade. Sem ela os conhecimentos e as práticas ficam estanques e estéreis, fechados em um campo sem diálogo, atitude que é produtora de uma distância empobrecedora da saúde. O especialismo exacerbado que vivemos hoje só tem trazido um abismo cada vez mais triste entre as categorias e profissões que compõem o cuidado.

Aguardando também com muita expectativa a discussão por aqui e em outros posts na RHS!

abraço,

Iza

Emilia Alves de Sousa is offline

Concordo totalmente com você Rodrigo. A formação em saúde trabalhada dentro de uma abordagem de produção coletiva para além dos muros da academia, ganha muito em qualificação. E a Rede HumanizaSUS é um potente espaço de formação em saúde em rede, que favorece a troca de informações, idéias, o debate, o compartilhamento de experiências e conhecimentos acerca do SUS. Aguardaremos com muita expectativa os relatos e a potente participação de vocês aqui na Rede!

AbraSUS!

Emília

deboraligieri is offline

Bem observado, Emilia! De fato, a RHS vem se consolidando como um espaço de formação profissional que inclui a problematização do próprio aprendizado de forma pública. Questão importantíssima na luta pela transformação do processo de formação em saúde como ferramenta indissociável da transformação das práticas em saúde. Formação e práticas políticas!

Acredito que a total transformação das práticas e das relações na área de saúde só acontecerá mesmo quando a formação universitária em saúde (assim como os ensinos básico e médio) for acessível a todas as pessoas no Brasil, mas podemos lutar por melhorias enquanto batalhamos pelo direito universal à educação.

 

deboraligieri is offline

Rodrigo e demais colegas da disciplina de Prática, Educação e Formação Interprofissional em Saúde da USP.

Sejam muito bem-vindos à Rede HumanizaSUS! Essa ideia de "conhecer junto" é realmente importante quando pensamos na saúde como um cuidado da pessoa em sua integralidade. E a RHS, como bem apontou a Emilia, tem tudo a ver com essa abordagem, pois se oferece com um espaço de compartilhamento de experiências em diversas áreas da saúde, e a partir do ponto de vista de diversos atores da saúde. Além dos profissionais da saúde, aqui os usuários do SUS também compartilham seus conhecimentos, o que raramente acontece na academia.

Assim, espero que vocês curtam essa experiência, e que nos tragam também os conhecimentos e aprendizados a partir do contato com os usuários das unidades de saúde que visitarem!

Abraços,

Débora

Beatriz Wiltenburg is offline

Boa noite pessoal!

Eu sou uma das alunas que tive a belissíma oportunidade de participar dessa disciplina! Fiquei bem feliz com os comentários e com o interesse de vocês sobre essa experiência que decidi vir aqui contar um pouco de como foi para mim. Estou disponível para falar mais e tirar as dúvidas que eu conseguir também!

Sobre a disciplina:

Ela é uma disciplina optativa da USP SP aberta a todas as areas da saúde; ela teve duração de uma semana e foi recheada de diversas atividades e discussões sobre o tema... aliás um dos pontos que discutimos muito foi justamente a necessidade que nossa universidade tem em ter mais espaços como esse para discutir a Interprofissionalidade, um tema tão importante que pode melhorar tanto a qualidade das assistências prestadas.

Eu particurlamente estou muito feliz em poder ter participado dessa disciplina porque é bem claro o quanto que ela agregou na minha formação. É muito interessante a possibilidade de contato com profissionais e estudantes de outras areas que não só a nossa; foi legal observar o quanto que eu aprendi sobre e com os outros colegas... de fato muito enriquecedor. Foi muito válido todas as discussões e reflexões... refletimos muito sobre um cuidado mais voltado para o paciente contando com o trabalho em equipe; discutimos também sobre os diversos benefícios da Interprofissionalidade sem deixar de levar em consideração os obstáculos que precisam ser vencidos para sua realização. Eu relatei a experiência de forma mais geral para não me prolongar muito, e as atividades realizadas durante essa semana já foram citadas pelo Rodrigo no post... mas caso alguém queira posso entrar em mais detalhes! 

Estou muito feliz também por ter conhecido essa plataforma e a partir de agora acompanharei as diversas discussões presentes aqui.

Espero que gostem e obrigada pelo carinho!

Abraço,

Beatriz 

Maria Luiza Carrilho Sardenberg is offline

Olá Beatriz, ou Betariz ( como aparece em teu perfil na rede, mas assinada aqui como Beatriz ),

Teu comentário abre novas possibilidades de continuar uma conversa de grande potência. Mesmo que o Rodrigo já tenha trazido de forma tão clara e com força de convocação de uma boa prosa a visão dele, seria muito enriquecedor se você explicitasse mais a tua própria. Ou mesmo uma publicação de novo post seria de grande valia para reverberar mais ainda a questão.

Como comentei em outro espaço, a transdisciplinaridade ganha cada vez mais a cena da discussão e integração de saberes e práticas hoje. A necessidade de níveis de especialismo não pode ser negada, mas pode vir a cegar as abordagens. Trabalho em um hospital geral, o HSPM - SP, composto por clínicas de especialidades, onde sentimos de forma bastante forte a necessidade de trabalhar juntos, integrados no entendimento da saúde como algo bem mais complexo que o mero olhar especializado.

Produção coletiva em todos os níveis é o que todas as práticas vêm nos convocando para realizar neste mundo contemporâneo. Precisamos ter escuta e sensibilidade para esta convocação.

abraSUS!

 

Beatriz Wiltenburg is offline

Bom, acredito que seja válido eu explicitar minha visão sobre o tema assim como a Maria Luiza sugeriu!

Eu acredito que minha visão ainda esteja em construção... após o contato com a disciplina que eu passei a ler e procurar mais sobre a Interprofissionalidade; acho que já aprendi muita coisa nesse meio tempo mas com certeza ainda tenho muito mais por aprender.

Dito isso, eu penso, assim como todos já ressaltaram aqui em cima, que esse tema tem uma enorme importância na area da saúde, visto que ele propõe uma troca intensa de experiência e conhecimentos entre os diferentes campos da saúde, de maneira que as partes envolvidas no cuidado entendam a interdependência que há entre elas e consigam realizar um trabalho colaborativo em equipe que traga qualidade a assistencia prestada.

Acredito também ser muito importante a compreensão do paciente como um todo, na sua integralidade e inserção no processo de saúde e doença. Dessa forma acho fundamental falarmos de formação e prática interprofissionais... daí a importância de lutarmos por mais espaços dentro da universidade e de seu currículo para tratarmos e discutirmos sobre o assunto... A disciplina entra ai como uma grande ferramenta para a formação desses futuros profissionais.

Abraços,

Beatriz

Últimos posts promovidos


Dayane Ferreira de Melo is offline
6votos

Fortaleza receberá evento sobre doenças reumáticas em pessoas jovens

Jovens cearenses que convivem com doenças reumáticas poderão se encontrar em evento exclusivo no próximo dia 19 em Fortaleza

Últimos posts comentados


Raquel Torres Gurgel is offline
3votos

Dá pra ter uma mostra Saúde É Meu Lugar na sua cidade.

Há três ou quatro meses, divulgamos aqui a Mostra Saúde É Meu Lugar – um projeto da Rede Brasileira de Escolas de Saúde Pública que busca dar visibilidade ao trabalho de quem atua na Atenção Básica, nos territórios.