“Das estradas esburacadas de barro...” Uma roda de conversa sobre Educação permanente com alunos de psicologia.

Primary tabs


8votos

“Das estradas esburacadas de barro...” Uma roda de conversa sobre Educação permanente com alunos de psicologia.

Layse Veloso de A. Santos is offline

Este post descreve a realização da nossa primeira roda de conversa com os alunos de psicologia do CESMAC de duas diferentes ênfases de estágio específico, educação e saúde. Post dedicado a atividade realizada para a disciplina Humanização na Saúde, ofertada pelo professor Sérgio Aragaki no mestrado profissional da FAMED/UFAL.  Mas, antes de falarmos sobre a roda, é importante uma ressalva introdutória. Esta disciplina é cuidadosamente pensada para que os alunos possam ir além do conhecimento teórico sobre a humanização – da ambiência da sala, as pactuações acerca da metodologia da aula, o acolhimento as discussões do texto e dos diferentes olhares, o estímulo ao aprofundamento e costura das leituras na área com as práticas, nos lembram continuamente sobre a importância de viver a humanização e não apenas “aprender” referenciais que contribuam para ações de cuidado humanizado em saúde. Essa é uma grande sacada.        

Então embalados com essa vivência enquanto alunas, lembramos de um texto do psicanalista e escritor Rubem Alves quando este escreveu que se  “...fosse ensinar a uma criança a arte da jardinagem, não começaria com as lições das pás, enxadas e tesouras de podar. Levaria a passear por parques e jardins, mostraria flores e árvores, falaria sobre suas maravilhosas simetrias e perfumes; levaria a livraria para que ela visse, nos livros de arte, jardins de outras partes do mundo. Aí, seduzida pela beleza dos jardins, ela me pediria para ensinar-lhe as lições das pás, enxadas e tesouras de podar” (ALVES, 1994). Motivadas e querendo despertar a curiosidade e motivação dos alunos de psicologia, iniciamos nossa primeira roda de conversa com a temática da Educação Permanente (E.P). A escola deste tema traduziu-se pela leitura da demanda do alunos, por sua importância nessa fase da graduação. O grupo das diferentes ênfases foi reunido  para conversar sobre E.P.

No primeiro momento, após pactuarmos coletivamente sobre as regras do funcionamento da roda, utilizamos um roteiro de perguntas disparadoras para sensibilizarmos quanto a discussão e levantar o que os alunos sabiam sobre E.P. Esta foi muito associada a Educação Continuada - sobretudo expressa como “atualizações” como capacitações pontuais; ao aperfeiçoamento técnico e científico, destacando-se a necessidade de uma busca desde a graduação, que visa a melhoria na oferta do cuidado a saúde e em outros campos, mas muito associado ainda ao usuário do serviço, não extrapolando-se para os processos de gestão e de saúde do trabalhador. Apesar de alguns frisarem não conhecer esta Política Nacional, muitos acertadamente destacaram a importância da desconstrução, de uma práxis que motive novas ressignificações de sua atuação e de conhecimentos contextualizados com as práticas desenvolvidas.

A ideia desse primeiro momento foi reunir as palavras chave dos alunos despertando sua curiosidade acerca do tema, com as seguintes questões norteadoras: 1. O que vocês entendem por Educação Permanente (EP)? 2. Vocês percebem o desenvolvimento de Educação Permanente nos campos de estágios? (Exemplifique); 3.Como a Educação Permanente pode contribuir para o processo de trabalho? 4.Qual a relação da EP com a gestão no trabalho em Saúde e na Educação? Para então realizarmos um segundo momento para descortinar o tema, aprofundar, regado a prazerosa e leve discussões, com um lanche compartilhado por todos os envolvidos.     Um dos pontos altos foi a avaliação geral que as duas turmas fizeram sobre a metodologia da roda e a importância de sua realização reunindo diferentes ênfases de estágio (saúde e educação), gerando ideias inclusive da necessidade de ampliar esta metodologia com outros temas e com alunos de diversas áreas do conhecimento, ampliando assim as reflexões e produções do grupo. Um ambiente inclusive onde se pode aprofundar a perspectiva da interdisciplinaridade.

Quanto ao título, este deve-se a fala de uma das alunas, que relatou que compreendia a E.P como uma longa estrada de barro, com buracos, nos quais o aluno e futuro profissional vai identificando as lacunas e preenchendo de acordo com as necessidades que a prática e as relações vão demandando. E para encerrar, trazemos mais uma fala de outra participante, sobre as implicações enquanto aluna com o processo da E.P, ela refletiu sobre a importância de se aprender a lidar com a imprevisibilidade, aprender a se encantar, a se surpreender, que em outras palavras nos convida para uma desnaturalização das práticas, do prescritivo e a um belo convite para que possamos sair de nossas zonas de conforto e (re)agir.

CARDOSO, Ivana Macedo. " Rodas de educação permanente" na atenção básica de saúde: analisando contribuições. Saúde e Sociedade, 2012, 21.suppl. 1: 18-28.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 198, de 13 de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Diário Oficial da União , Brasília, DF, 2004. Seção 1.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 1996 de 20 de agosto de 2007. Dispõe sobre as diretrizes para a implementação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 22 ago. 2007. Seção 1.

ALVES, Rubem. A alegria de ensinar. 3ª edição. ARS Poética Editora ltda, 1994.“Das estradas esburacadas de barro...” Uma roda de conversa sobre Educação permanente com alunos de psicologia.

 

 13 COMENTÁRIOS

Clarissa Cotrim dos Anjos is offline

Muito produtivo esse momento de troca e partilha de saberes!
Maria Luiza Carrilho Sardenberg is offline

A beleza deste post em todos os sentidos mostra como os alunos estão afetados pelo encontro com a temática da humanização. 

Layse, este tipo de postagem, onde se mergulha de cabeça, enriquece demais o regime de afetos quentes que embala uma rede de pessoas que cuidam de outras.

beijo especial pro Aragaki e prá todos os alunos!

 

 

 

 

Layse Veloso de A. Santos is offline

Nós envolvidos e afetados somos ainda mais "com" vocês, muito obrigada pelo feedback e carinho nas palavras!

Emilia Alves de Sousa is offline

Oi Layse,

Que presente a sua postagem! Me senti totalmente afetada com essa citação maravilhosa do Rubem Alves, que mostra um jeito diferente de envolver  e afetar as pessoas, e a dinâmica da roda de vocês, disparando conversas e a produção do comum. Muito bom!

Continue conosco compartilhando essas ricas experiências!

AbraSUS!

Emília

Layse Veloso de A. Santos is offline

Como não compartilhar? É incrível como você sempre comenta os posts, não sei como consegue ser tão atenciosa assim! Muito obrigada mesmo! Nós da equipe estamos muito motivadas <3

AlberisLuis is offline

Que coisa mais linda de ser ler. Parabéns, futuros psis! São iniciativas como essas que transformam o ambiente acadêmico, principalmente no nosso curso, num espaço mais abrangente sobre conteúdos que são mais visualizados no cenário profissional. 

Layse Veloso de A. Santos is offline

Obrigada! e que possamos construir mais em conjunto, criando, estimulando esse poder transforma-dor.

grata!!

Wallacy Jhon S. Araújo is offline

Encantado com esse momento.... Parabéns!!

Hulda Alves de Araújo Tenório is offline

Foi Maravilhoso participar deste momento ímpar e inovador para o curso de psicologia do CESMAC. Apesar de ser enfermeira a humanização consegue, através de suas ferramentas, interlaçar disciplinas e nos tornar únicos na construção de uma assistência de qualidade. O objetivo passa ser único, assim como a política...tudo é um ideal comum... tudo se encaixa e nos move em busca de mais rodas...de "rodas em rodas" o sistema único único de saúde se move em estradas emburacadas de barro, mas capazes de ser percorrida e modificadas por gente que tem o principal: a vontade de fazer. Obrigada Layse, Silvana Paula e prof. Sérgio.

Silvana Paula Acantara is offline

É inexplicável a sensão de ter vivenciado esta proposta junto aos estagiários da ênfase de processos Educativos e de Promoção e Prevenção em Saúde do curso de graduação em Psicologia do CESMAC. Possibilitar uma experiência de interênfase, na qual, o método da Roda permitiu a articulação de duas áreas da psicologia na perspectiva de uma formação generalista e que contribui para um novo saber/fazer na atuação de futuros psicólogos. Perceber o interresse de cada um deles e o  quanto sairam do nosso encontro instigados a buscar mais com relação a Política de Educação Permanente e o impacto desse processo em seus campos de estágio foi extremamente gratificante. E tudo isso só foi possível diante da metodologia utilizada na disciplina Humanização na Saúde ofertada no Mestrado Profissional em Ensino na Saúde da FAMED/UFAL.

 

Renata Guerda is offline

"E é tão bonito quando a gente entende Que a gente é tanta gente onde quer que a gente vá E é tão bonito quando a gente sente Que nunca está sozinho por mais que pense estar"

 

Que maravilha de relato!

Que a Roda continue girando e que a gente vá se encontrando nessa construção afetiva em defesa do SUS!

 

Há braSUS! 

 
luzia Malta is offline

Layse,

Que belo relato!!!

Como é gratificante perceber que esse movimento está contageando também na academia, e trazendo mais adebtos. 

Profº Sérgio Aragaki grande defensor da SUS e da PNH tem feito a diferença na UFAL/FAMED/MESTRADO MPES, essa interface com os serviços tem sido também  um diferencial que ele tem apostado. 

Então que façamos a roda girar Layse!

Parabéns a todos!1

Renata Fagundes França is offline

Grata pelo momento e pela a troca de conhecimentos. Foi um momento ímpar.

Últimos posts promovidos


Carina Helena Bubolz is offline
3votos

Hospital Independência, de Porto Alegre, viabiliza visita de animais de estimação como estímulo à recuperação dos pacientes

A paciente Cláudia Maria Franco da Cunha, moradora do bairro Cristal, em Porto Alegre, foi a primeira a receber a visita do seu animal de estimação no Hospital Independência, na tarde desta terça-feira, dia 25 de julho. A iniciativa está de acordo com a Política Nacional de Humanização (PNH), do Ministério da Saúde e visa estimular a recuperação dos pacientes.

Últimos posts comentados


ElainePerez is offline
5votos

Pois é ...

 

Pois é...
Diálogo ritmado com Foucault e Agamben
Elaine Perez

Deu vontade de escrever palavras ligadas.
Desejo da alma que busca acordar olhos cansados.
Corpos doídos, sonhos abandonados.
Somos brasileiros e nos sentimos ao deus-dará.
Fomos atingidos à queima-roupa.
A vida está nua.
Biopoder...
Que João-de-barro, nos salve dos campos,

 do exílio, das balas,

das linhas,