Ser Phino é ter Saúde

Primary tabs


6votos

Ser Phino é ter Saúde

Emilia Alves de Sousa is offline

Com este tema a SESAPI, através da Vigilância Sanitária e do Centro de Referencia em Saúde do Trabalhador do Estado do Piauí, vem lançando nos serviços de saúde a Campanha de Sensibilização pela Segurança do Paciente e dos Trabalhadores da Saúde.

Hoje foi a vez do Hospital Infantil Lucídio Portella aderir à campanha. Durante boa parte da manhã, os gestores, profissionais e usuários  estiveram reunidos com o grupo condutor da campanha para uma grande mobilização no hospital, na perspectiva de fortalecer uma cultura de adesão às boas práticas capaz de garantir a qualidade dos processos de trabalho e a segurança dos pacientes e dos trabalhadores. Na abertura do evento, Dr. Vinicius, Diretor Geral do HILP, deu as boas vindas aos presentes, e ressaltou a importância da campanha para a segurança de todo o coletivo do hospital. Na sequência, a enfermeira Suzana, da Vigilância Sanitária, fez uma síntese do que é a Campanha, pontuando os seus quatro itens/eixos prioritários: Paramentação, Higienização, Imunização e Notificação. Leando, técnico de segurança de trabalho do HILP, fez uma abordagem sobre a paramentação, enfatizando a importância do uso das EPIs na proteção contra riscos capazes de ameaçar a segurança dos trabalhadores. A Enfermeira Twani, membro da Comissão de Vigilância Epidemiológica do HILP, falou da higienização das mãos, enfatizando os cinco momentos para a higiene das mãos. As enfermeiras Weline e Tássia (Coordenadora do Núcleo de Segurança do Paciente do HILP) abordaram a imunização e a importância da notificação dos incidentes e eventos nos processos de trabalho. Tássia fez um balanço das notificações realizadas no hospital no período de fevereiro a abril de 2017. O ponto alto do evento, foi a divulgação do concurso de frases sobre a prevenção e o controle da segurança do paciente realizado com os profissionais do HILP, com o seguinte resultado:

1º lugar: Naira Laize – Técnica de enfermagem

2º lugar: Aébia – Técnica de enfermagem

3º lugar: Francineide Lopes – Terapeuta Ocupacional

4º lugar: Conceição Brandão – Enfermeira

O evento finalizou-se com um momento de relax e descontração com a participação da Adriana Kelly (Coaching Emocional Coach), que de forma alegre colocou todos os participantes em movimento.

 3 COMENTÁRIOS

patrinutri is offline

Muito obrigada por compartilhar conosco esta ação e nos inspirar por aqui Emília. Um concurso de frases sobre o tema é algo bem interessante.

Fiquei curiosa para conhecer as frases das vencedoras do concurso.

 

Bjs Pat

deboraligieri is offline

Eu também fiquei curiosa! 

deboraligieri is offline

Que bacana essa mobilização em favor da segurança dos usuários e trabalhadores, Emilia! Essa é uma questão importante e delicada, pois envolve práticas e procedimentos geralmente impostos e não explicados para as pessoas envolvidas nos serviços. Na justiça trabalhista são bastante comuns os processos judiciais analisando indenizações por acidentes de trabalho referentes ao uso/não uso dos equipamentos de proteção individual (EPI). Parece uma questão simples: o empregador deve fornecer e o trabalhador deve usar o EPI. Mas quando conversamos com os trabalhadores, descobrimos que muitas vezes os equipamentos não são adequados à realização da atividade (dificultam o serviço, machucam os profissionais, etc) ou ao tamanho da pessoa (EPI's de tamanho único, por exemplo) e por isso deixam de ser usados. Na área de saúde, o que o gestor considera como adequado ao serviço na prática pode se mostrar prejudicial ao contato entre o profissional e o usuário, por exemplo. Assim, mais do que a cultura de "adesão", é muito importante a luta por uma "construção colaborativa" de boas práticas a partir da experiências dos técnicos do setor e dos profissionais e usuários que vivem os serviços no quotidiano. Acho que essa reunião no HILP foi uma ótima abertura pra isso, parabéns aos realizadores e participantes!

Beijos,

Débora

Últimos posts promovidos


Emilia Alves de Sousa is offline
8votos

Projeto: "Enquanto o Doutor não Vem"

 

Hoje (23) deu-se inicio no ambulatório do HILP a implantação do “Projeto Enquanto o Doutor não Vem”. Trata-se de uma iniciativa que tem como público alvo os usuários do ambulatório do Hospital Infantil Lucídio Portella, com o objetivo de otimizar o tempo de espera no atendimento ambulatorial, através de ações informativas e interativas, buscando ampliar o conhecimento, a troca de saberes e o nível de satisfação entre esses sujeitos.

Últimos posts comentados


Harete Vianna Moreno is offline
2votos

Cracolândia é a pedra-ponta do iceberg flutuando no mar-vida.

A Cracolândia não é um espaço geográfico, é uma concentração de pessoas em situação de rua, nem sempre viciadas em crack, pois muitas são alcoolistas. Excluídas de todos os espaços, reúnem-se, protegem-se e consomem-se em adoecimentos.