Participe da consulta pública para atualização da Carta dos Direitos dos Usuários da Saúde - até 11/06/17

Primary tabs


11votos

Participe da consulta pública para atualização da Carta dos Direitos dos Usuários da Saúde - até 11/06/17

deboraligieri is offline
Em 18 de abril de 2017, durante a abertura da 1ª Conferência Nacional Livre de Comunicação em Saúde, o Conselho Nacional de Saúde (CNS) lançou uma consulta à sociedade para a revisão e atualização da Carta dos Direitos dos Usuários da Saúde. A proposta é que o resultado final da consulta pública seja apresentado em agosto de 2017.
 
A Carta dos Direitos dos Usuários da Saúde, elaborada pelo Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Saúde (CNS) e Comissão Intergestores Tripartite, foi apresentada à sociedade no dia 30 de março de 2006 por meio da Portaria GM/MS 645, convidando todos os gestores, profissionais de saúde, organizações civis, instituições e pessoas interessadas em “promover o respeito desses direitos e a assegurar seu reconhecimento efetivo e sua aplicação”.
 
Em sua 198ª Reunião Ordinária (junho/2009), o CNS aprovou os sete princípios da Carta de Direitos e Deveres em Saúde e em 13 de agosto de 2009 foi publicada a Portaria GM/MS 1820, que dispõe sobre os direitos e deveres dos usuários da saúde.
 
“A carta é um instrumento importante de diálogo com a sociedade, para conclamá-la ao exercício da cidadania e de seus direitos”, disse Ronald sobre o documento que enumera os direitos dos cidadãos em relação às ações e serviços do Sistema Único de Saúde (SUS). A última atualização da carta é de 2011. “Ocorre que há transformações importantes no Brasil que exigem o reforço, o destaque, uma atualização da carta”, destacou o presidente do CNS.
 
A consulta à sociedade vai de 2 de maio a 11 de junho. “Nossa ideia é que em cinco de agosto, quando no Brasil se comemora o Dia Nacional da Saúde, a gente possa apresentar a atualização da carta que tem de, necessariamente, na atual conjuntura, deixar bem claro para o povo brasileiro todos os direitos que ele tem em relação à saúde”, afirmou o presidente do CNS.
 
Para participar e contribuir com a consulta pública é muito simples: basta acessar o link do formulário (http://formsus.datasus.gov.br/site/formulario.php?id_aplicacao=31621) e redigir as sugestões de inclusão, exclusão ou modificação de texto em cada artigo da carta. Os campos para as sugestões estão separados por artigo, o que facilita bastante a contribuição.
 
Essa é uma oportunidade muito importante para exercemos o direito à participação social nos destinos da saúde no Brasil de forma colaborativa e para construirmos juntos as normas que regulam e garantem o nosso direito à saúde e suas formas de acesso.
 
 

Aberta consulta para atualização da Carta dos Direitos dos Usuários da Saúde

 
 

 

 7 COMENTÁRIOS

Vera Calado is offline

Muito importante esse momento.

deboraligieri is offline

De fato, Vera, muito importante a participação de todos na reafirmação do SUS como política social visando a redução de desigualdades, construindo juntos os dispositivos e ferramentas úteis e necessários à efetivação na prática do direito à saúde.

Raphael Henrique Travia is offline

 


Art. 9º 

 
  Art. 2º 
Art. 2º Toda pessoa tem direito ao acesso a bens e serviços ordenados e organizados para garantia da promoção, prevenção, proteção, tratamento e recuperação da saúde.

§ 1º O acesso será preferencialmente nos serviços de Atenção Básica integrados por centros de saúde, postos saúde, unidades de saúde da família e unidades básicas de saúde ou similares mais próximos de sua casa.

§ 2º Nas situações de urgência/emergência, qualquer serviço de saúde deve receber e cuidar da pessoa bem como encaminhá-la para outro serviço no caso de necessidade.

§ 3º Em caso de risco de vida ou lesão grave, deverá ser assegurada a remoção do usuário, em tempo hábil e em condições seguras para um serviço de saúde com capacidade para resolver seu tipo de problema.

§ 4º O encaminhamento às especialidades e aos hospitais, pela Atenção Básica, será estabelecido em função da necessidade de saúde e indicação clínica, levando-se em conta a gravidade do problema a ser analisado pelas centrais de regulação.

§ 5º Quando houver alguma dificuldade temporária para atender as pessoas é da responsabilidade da direção e da equipe do serviço, acolher, dar informações claras e encaminhá-las sem discriminação e privilégios.
Art. 2º - Proposta de alteração, acréscimo ou exclusão:  
Proposta de Exclusão do § 1º O acesso será preferencialmente nos serviços de Atenção Básica integrados por centros de saúde, postos saúde, unidades de saúde da família e unidades básicas de saúde ou similares mais próximos de sua casa.
Art. 2º - Justificativa/comentário:  
Muitas pessoas interpretam esse § de forma errada e acabam dificultando o acesso dos usuários aos serviços de média complexidade ou especializados quando necessário.
Art. 9º Os direitos e deveres dispostos nesta Portaria constitui em a Carta dos Direitos dos Usuários da Saúde.

Parágrafo único. A Carta dos Direitos dos Usuários da Saúde deverá ser disponibilizada a todas as pessoas por meios físicos e na internet, no seguinte endereço eletrônico: www.saude.gov.br.

Art. 9º - Proposta de alteração, acréscimo ou exclusão: :  
Os direitos dos usuários da Saúde deverão ser publicizados em todas as unidades de saúde do SUS, inclusive nas unidades privadas que dele participem de forma complementar.
Art. 9º - Justificativa/comentário:  
Incluir este texto para que cumpra o disposto no artigo 37 inciso III do Decreto 7508/2011

 

deboraligieri is offline

Raphael querido.

Concordo plenamente com as suas sugestões, e adorei o compartilhamento da sua contribuição aqui conosco. Vou fazer a minha agora, a também compartilhar aqui com a turma através de um comentário.

Bjs,

Débora

Sérgio Aragaki is offline

E diante de tantos retrocessos e tantas violências institucionais, a discussão e atualização da Carta de Direitos dxs Usuárixs do SUS é fundamental e deve ser acompanhada de maneira a amplia-los e aprofunda-los.

E precisamos, ao fazer a discussão ter clareza que a efetivação dos Direitos dxs Usuárixs colabora na valorização do trabalho e dx trabalhador/a da saúde. Não são coisas díspares ou contrárias. Ambas se fortalecem concomitantemente.

deboraligieri is offline

Com certeza, Sérgio!

Defender os direitos dxs usuárixs do SUS é batalhar por um sistema de saúde que acolha e atenda a todas as necessidades de saúde, como condição mínima ao exercício e gozo da cidadania. Para tanto, precisamos do apoio dxs trabalhadorxs da saúde, e também apoiá-lxs na defesa de condições dignas de trabalho. Essa é uma luta de nós, em defesa do SUS, em defesa da saúde pública, universal, integral, equânime e gratuita, como direito constitucional.

Abraços,

Débora

deboraligieri is offline

Minha contribuição:

Art. 2o:

Art. 2º - Proposta de alteração, acréscimo ou exclusão:

§ 6º Nas situações de desabastecimento local de medicamentos e/ou insumos respectivos a programas da atenção básica, o usuário será encaminhado para a unidade mais próxima onde poderá retirar os medicamentos e/ou insumos em falta na unidade de referência.

 

Art. 2º - Justificativa/comentário:

O desabastecimento de medicamentos e/ou insumos é bastante corriqueira, e em boa parte dos casos o encaminhamento para retirada em outra unidade já acontece na prática. Em outros casos, porém, o usuário (como no caso do programa de automonitoramento glicêmico - AMG - da cidade de São Paulo) não consegue retirar seus insumos em unidade que não seja a de referência. Desta forma a previsão desta possibilidade no artigo 2º legitima uma prática em pleno uso, no primeiro caso, e ainda evita que o usuário seja impedido de ter acesso aos seus insumos e medicamentos por imposição da gestão local, no segundo caso.

 

 

Art. 3º - VI 

 VI - o recebimento das receitas e prescrições terapêuticas, devem conter:

a) o nome genérico das substâncias prescritas;

b) clara indicação da dose e do modo de usar;

c) escrita impressa, datilografada ou digitada, ou em caligrafia legível;

d) textos sem códigos ou abreviaturas;

e) o nome legível do profissional e seu número de registro no conselho profissional; e

f) a assinatura do profissional e a data;

Art. 3º - VI - Proposta de alteração, acréscimo ou exclusão:

§ 1o O estabelecimento de outras condições pela gestão regional ou local dos serviços de saúde, para além das previstas no inciso VI, não terão o condão de impedir o acesso dos usuários aos serviços da assistência farmacêutica do SUS.

Art. 3º - VI - Justificativa/comentário:

Recentemente, a Secretaria do Estado da Saúde de São Paulo expediu uma norma (Nota Técnica CAF no 02, de 31 de janeiro de 2017) condicionando o acesso aos medicamentos e insumos oriundos de ordens administrativas e judiciais à apresentação periódica de receitas, cujos requisitos extrapolam os desta carta sem qualquer fundamentação racional. Na prática, os novos requisitos estão dificultando o acesso dos usuários aos insumos e medicamentos. Assim, o acréscimo do parágrafo como sugerido seria uma forma de garantir o direito de acesso aos medicamentos e insumos quando as receitas estiverem conformes o inciso VI, e ainda proteger os usuários de normas arbitrárias que na verdade visam dificultar o acesso à assistência farmacêutica.

 

Art. 3º - VII 

Art. 6º 

 VII - recebimento, quando prescritos, dos medicamentos que compõem a farmácia básica e, nos casos de necessidade de medicamentos de alto custo deve ser garantido o acesso conforme protocolos e normas do Ministério da Saúde;

Art. 3º - VII - Proposta de alteração, acréscimo ou exclusão:

VII - recebimento, quando prescritos, dos medicamentos e insumos que compõem a farmácia e os programas da atenção básica e, nos casos de necessidade de medicamentos e insumos de alto custo deve ser garantido o acesso conforme protocolos e normas do Ministério da Saúde, e das normas das Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde no caso de protocolos regionais ampliados.

Art. 3º - VII - Justificativa/comentário:

Nos programas da atenção básica há também a previsão de fornecimento de insumos necessários à utilização dos medicamentos (como seringas para a aplicação de insulina, por exemplo). O recebimento dos insumos também é um direito dos usuários. Quanto à regulamentação do fornecimento, considerando a existência dos protocolos regionais da assistência farmacêutica, necessário incluir a obrigatoriedade de fornecimento dos medicamentos conforme previsão das leis regionais. Ao mencionar apenas os protocolos e normas do Ministério da Saúde,  a carta olvida a validade dos protocolos e normas regionais. 

 

 

 Art. 6º Toda pessoa tem responsabilidade para que seu tratamento e recuperação sejam adequados e sem interrupção.

Parágrafo único. Para que seja cumprido o disposto no caput deste artigo, as pessoas deverão:

III - seguir o plano de tratamento proposto pelo profissional ou pela equipe de saúde responsável pelo seu cuidado, que deve ser compreendido e aceito pela pessoa que também é responsável pelo seu tratamento;

Art. 6º - III - Proposta de alteração, acréscimo ou exclusão:

III - seguir o plano de tratamento construído com profissional e/ou com a equipe de saúde responsável pelo seu cuidado;

Art. 6º - III - Justificativa/comentário:

Enquanto a adesão prevê uma prática prescritiva generalizada sem respeito às singularidades dos usuários e às relações democráticas no atendimento à saúde do cidadão (relações de poder e de forças desiguais entre profissionais e usuários), a construção colaborativa de um projeto terapêutico singular respeita os desejos, necessidades e condições de cada usuário. Assim, o plano não deve ser proposto pelos profissionais e aceito pelos usuários, mas construído pelos usuários junto com os profissionais. E a compreensão do plano de tratamento corresponde a um direito do usuário e a um dever dos profissionais. Se houvesse alguma obrigação de compreensão a ser imposta, não deveria constar que o usuário deve compreender o plano de tratamento, mas que o profissional deve ajudá-lo a compreender o tratamento.

 

 

Art. 7º 

 Art. 7º Toda pessoa tem direito à informação sobre os serviços de saúde e aos diversos mecanismos de participação.

§ 1º O direito previsto no caput deste artigo, inclui a informação, com linguagem e meios de comunicação adequados, sobre:

 

Art. 7º - Proposta de alteração, acréscimo ou exclusão:

Acréscimo de inciso V - informações sobre dados estatísticos e financeiros dos programas de saúde das gestões federal, estaduais e municipais de saúde, a qualquer usuário.

Art. 7º - Justificativa/comentário:

Esses dados são essenciais ao exercício do controle social sobre a execução das políticas e programas de saúde.

 

Art. 9º - Proposta de alteração, acréscimo ou exclusão:

A Carta dos Direitos dos Usuários da Saúde deverá ser disponibilizada a todas as pessoas, em todas as unidades do SUS e do sistema de saúde suplementar, por meios físicos e na internet.

Art. 9º - Justificativa/comentário:

A modificação proposta visa o cumprimento do disposto no artigo 37, inciso III, do Decreto 7508/2011.

(Raphael, aproveitei e ratifiquei essa sua sugestão que achei muito boa, com uma pequena alteração).

 

 

Últimos posts promovidos


Raquel Torres Gurgel is offline
7votos

Dá pra ter uma mostra Saúde É Meu Lugar na sua cidade.

Há três ou quatro meses, divulgamos aqui a Mostra Saúde É Meu Lugar – um projeto da Rede Brasileira de Escolas de Saúde Pública que busca dar visibilidade ao trabalho de quem atua na Atenção Básica, nos territórios.

Últimos posts comentados


Comitê Médio Vale is offline
4votos

Inicia se a série de oficinas Microrregionais de Humanização do Médio Vale do Itajaí!

 

A primeira acontecrá em Brusque SC no dia 24 08 2017.

A proposta foi construida pelo Comitê Regional de Humanziação do Médio Vale do Itajaí em parceria com o CIES (Comissão Integração Ensino e Serviço do Médio Vale do Itajaí) e com apoio da CIR (Comissão Intergestores Regionais do Médio Vale do Itajaí).