Direito a acompanhantes

Versão para impressãoSend by emailPDF version

Carta aberta ao congresso nacional,Às organizações, associações, autoridades de saúde, profissionais de saúde mental, legisladores e juristas.
C/C Organizações das nações Unidas
Pelos usuários de sistema de saúde mental terem direito a acompanhante enquanto internados.

Senhores,
Reivindicamos o acompanhamento na internação dos usuários de saúde mental por parente próximo como obrigatório nas instituições psiquiátricas brasileiras.
…..Visto que, o usuário de saúde mental é incapaz.perante a lei e as instituições psiquiátricas são ineficazes em salvaguardar sua dignidade pessoal visto que o usuário de saúde mental depende de apoio da família para sua melhoria e bem estar; e ainda que a internação solitária gera maior incapacidade social causado pelos descasos do quadro clínico e até da família Verificando também que inúmeras drogadições, lobotomias e eletro choques são efetuados em clínicas de saúde mental publicas ou particulares,remédios fortes são prescritos sem o conhecimento e consentimento da família, podemos causar sérios danos ao SNC e dependência química.
Sabemos, que por serem incapazes de lutar pela sua vida e direitos,pelas limitações inerentes aos mesmos,e métodos atuais de internação não possuem até então caráter preventivo de recaídas. Se este paciente, é incapaz pela ciência, porque deixá-los a mercê de médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagens, distanciando-o de sua realidade e dificultando sua recuperação?
A drogadiçao excessiva é motivo de maior despesa no orçamento do SUS e conseqüente volta e permanência do mesmo dentro dos hospitais: quanto maior drogadiçao o usuário for exposto, mais demorará para sua recuperação e reinserção social e familiar. Para livrar-nos do sistema crônico de geração de pacientes psiquiátricos pelas clinicas e laboratórios, devido aos vícios de fármacos contínuos que causam dependência física e psíquica
Ora, são incapacitados, perante a lei, mesmo temporariamente,têm o direito humano de permanecerem acompanhados de familiares, pais,irmãos esposas ou filhos,até a sua alta!
Que seja instituído por lei o direito de um acompanhante quando se der a internação de um usuário de saúde mental em qualquer leito de instituição psiquiátrica brasileira.Que seja pautada na lei a dignidade humana de todos e inclusive do usuário de saúde mental, aprovando e assegurando a permanência de um acompanhante ao paciente, assegurando-lhes o equilíbrio, e a segurança pessoal na insanidade,como cidadãos que são!
Senhores,solicitamos em caráter de urgência esta lei!

ATENCIOSAMENTE,
Zulmira Guimarães Fontes
Usuária de saúde mental- ES

 

Comentários [2]

Oi, Iza! Em BH/MG existem

Oi, Iza! Em BH/MG existem três Hospitais psquiátricos que aceitam acompanhantes pot 7 dias. O Galba Veloso e o Raul Soares e um outro que não me recordo o nome, agora. Inclusive a Zulmira fez esta carta basendo nestas informações que passei pra ela. Aqui na minha cidade, há uma conhecida, que levou o seu filho de 29 anos, depende químico, em 2010 para o Galba Veloso tendo lá ficado por 7 dias com ele, mas o mesmo retornou com ela. Se houve resultado no tratamento? Ele continua do mesmo jeito. O que ela viu foi uma mistura de pacientes, tanto dependentes químicos quanto na área da saúde Mental, simplesmente. Mas só pelo fato de estar acompanhado, e ter o colo da mãe já é um ganho, diante destas clínicas que exclui o paciente do convívio da família e ainda nos tratam com atitudes constragedoras como é o caso da Santa isabel de Cachoeiro do Itapemirim que não me permitiu ver minha filha no dia 01/12/2006, já que fui informada antes, que deveria esperar pelo menos 5 dias para visitá-la, e mesmo assim, com a desculpa do atraso não me foi permitido. Este documetário se encontra no meu bolg, http://nercindaheiderich.blogspot.com e anacarolinacheideric.com Umgrande abraço Nercinda Um grande beijo Nercinda

triste realidade

Zulmira,

É triste ter que constatar que a presença de acompanhantes dos pacientes internados deva tornar-se um modo de vigilância das práticas dos profissionais. Mas, parece que na tua experiência, que não é rara, essa  medida se faz necessária.

Um abraço e força,

Iza