Estado inaugura leitos da Rede de Atenção Psicossocial na Maternidade Evangelina Rosa

Primary tabs


6votos

Estado inaugura leitos da Rede de Atenção Psicossocial na Maternidade Evangelina Rosa

Emilia Alves de Sousa is offline

Mesmo em tempo de crise, a humanização do SUS avança no estado do Piaui

O Secretário de Estado da Saúde do Piaui, Francisco Costa, inaugurou, nessa quinta-feira (16), os primeiros leitos estruturados da Rede de Atenção Psicossocial (Raps) do Estado, na Maternidade Dona Evangelina Rosa (MDER). O serviço vai contemplar pacientes com sofrimento mental e com necessidades de saúde como, por exemplo, os decorrentes do uso de álcool, crack e outras drogas, que serão acolhidas por uma equipe multiprofissional que oferecerá atenção diferenciada, estruturada e qualificada.

Considerando a necessidade de uma assistência humanizada na unidade hospitalar e como estratégia facilitadora, foram habilitadas duas enfermarias, seis leitos ao todo, na Ala E da Evangelina, que serão ocupadas por pacientes que tiverem esse perfil. "A Política de Atenção Psicossocial vem buscando ter o foco especial, por meio da Raps, e aqui na maternidade, pela sua tradição e comprometimento de toda sua equipe, de querer melhorias para o atendimento da saúde, bem como pela demanda significativa de mulheres que precisam desse tipo de acompanhamento, está iniciando esse trabalho”, afirmou Francisco Costa, reforçando o trabalho conjunto entre a gestão da MDER com a equipe de Saúde Mental da Sesapi para viabilização da entrega dos leitos.

O secretário anunciou também a expansão da rede para outras unidades hospitalares, como Hospital da Polícia Militar (HPM), Hospital Getúlio Vargas (HGV), além de alguns pontos de atenção do interior do estado.

Para o diretor-técnico da MDER, Marcos Bittencourt, trata-se de mais um dia importante para a maternidade, por toda sua história de pioneirismo. “A política de saúde mental vem estruturando o acesso dos portadores de transtornos mentais aos direitos sociais e trazendo conceitos essenciais para estabelecer um cuidado cada vez mais próximo das características preconizadas pela Reforma Psiquiátrica Brasileira no atendimento em saúde mental e que apresentam necessidades decorrentes do uso de álcool, crack e outras drogas”, explicou Marcos.

Segundo a Gerente de Saúde Mental do Estado, Gisele Martins, será desenvolvido um projeto terapêutico individual institucional através de uma equipe de médicos psiquiatras, psicólogos, assistentes sociais, terapeutas ocupacionais e profissionais da enfermagem que vão fazer o acompanhamento enquanto estiver no leito e após a alta hospitalar será referenciada para um fluxo de continuidade do atendimento nos CAPS e Unidades de Acolhimento. “Esses profissionais irão prestar serviço humanizado, de qualidade a todas as gestantes e puérperas que tiverem esse perfil, bem como a seus familiares”, destacou a coordenadora da Raps na Mder, enfermeira Bárbara Paz.

Por Astrid Lages

Assessoria de Comunicação SESAPI

 

 0 COMENTÁRIOS

Últimos posts promovidos


Harete Vianna Moreno is offline
11votos

13 Razões e 50 regras: é chegada a hora de falarmos abertamente sobre o suicídio na adolescência

A série do Netflix "13 Reasons Why", estreou no final de março e causou um grande alvoroço no Brasil, especialmente pelas opiniões antagonistas, tão comuns nessa época polarizada, binarizada, dividida, em que vivemos.

Narrando a história de uma adolescente que grava em fitas cassete as 13 razões que a levaram ao suicídio, a análise de quem não indica a série baseia-se na ideia de que ela pode ser um gatilho para pensamentos suicidas, na medida em que coloca essa ação como a única saída possível.

Últimos posts comentados


Raphael Henrique Travia is offline
3votos

1ª Conferência Nacional Livre de Comunicação em Saúde: Direito á Informação, garantia de direito á saúde

Olá Humanautas,

Começo esta postagem voltando no tempo e no CiberespaSUS, mais especificamente quando fui apresentado pela Sabrina como Blogueiro na RHS e a Jornalista Mariella comentou que achava legal o quanto as pessoas se apropriam da RedeHumanizaSUS. É deste lugar que eu escrevo e não da cadeira acadêmica ocupada por alguém que domine as técnicas de comunicação fazendo disso sua profissão.