Enquanto a Saúde grita lá fora: Controle Social, a bagunça é aqui dentro!

Primary tabs


7votos

Enquanto a Saúde grita lá fora: Controle Social, a bagunça é aqui dentro!

Raphael Henrique Travia is offline

CARTA DE REPÚDIO

 

            Venho por meio desta, manifestar o meu veemente repúdio à atitude da mesa Diretora do Conselho Municipal de Saúde em relação a condução da escolha ocorrida  no último dia 02 de março de 2017 da Secretária Executiva . Entendo que tal atitude possui caráter político, uma vez que o regimento foi desrespeitado, até onde vai o meu conhecimento, a mesa não possui nenhuma forma constituída de indicação ou escolha, apenas de avaliação efetivamente de perfil e encaminhamento ao pleno.

. Gostaria, dessa forma, de lembrar que, de acordo com

RESOLUÇÃO Nº 453, DE 10 DE MAIO DE 2012 ;  ESTRUTURA  E FUNCIONAMENTO DOS CONSELHOS DE SAÚDE

I - cabe ao Conselho de Saúde deliberar em relação à sua estrutura administrativa e o quadro de pessoal;

II - o Conselho de Saúde contará com uma secretaria-executiva coordenada por, para o suporte técnico e administrativo, subordinada ao Plenário do Conselho de Saúde, que definirá sua estrutura e dimensão; pessoa preparada para a função

RESOLUÇÃO Nº 028/2014

Artigo 29 – Os recursos humanos a serem utilizados na Secretaria-executiva do CMS deverão ser profissionais de carreira da Prefeitura Municipal de Joinville (PMJ).

. IV – O(a) Secretário(a) Executivo(a) deverá ser servidor de carreira da PMJ, indicado(a) em lista tríplice pelo Secretário Municipal de Saúde; V – A Mesa Diretora apreciará o perfil dos candidatos e encaminhará para apreciação e aprovação do plenário;

 Quero, portanto, reiterando o histórico democrático desse Conselho, solicitar a revisão da atitude tomada por essa Mesa, atitude essa arbitraria e pouco transparente, já que o assunto não foi colocado em pauta, apenas apresentado em informes deliberativos e em uma reunião extraordinária que tinha como objetivo a apreciação da prestação de contas da secretaria de saúde. Não há nada mais assustador saber que  esse Conselho , que deveria zelar pela democracia e transparência, trata esse assunto de forma obscura  Solicito que este Conselho retome esse assunto levando ao pleno para que seja deliberado novamente.

 

Att,
 
Angelita Ullrisch Lankewicz

 7 COMENTÁRIOS

Angelita Ullrisch Lankewicz is offline

A minha preocupação  é como todo esse processo foi conduzido, sem transparência e entendimento. Sem se ter a conscientização  por parte da maioria dos conselheiros da importância desse profissional.

A estruturação física e os recursos humanos estão previstos na RESOLUÇÃO Nº 453/12  I - cabe ao Conselho de Saúde deliberar em relação à sua estrutura administrativa e o quadro de pessoal;

RESOLUÇÃO Nº 028/2014 do Conselho Municipal de Joinville vai na contra mão das diretrizes e direitos estabelecidos na resolução 453 quando  no seu Artigo 29. IV – O(a) Secretário(a) Executivo(a) deverá ser servidor de carreira da PMJ, indicado(a) em lista tríplice pelo Secretário Municipal de Saúde;  delegando assim ao gestor a indicação  desse profissional tão importante.

1- Não constava da pauta da reunião, apenas nos deliberativos, (que os conselheiros ficam apenas sabendo quando chegaram na reunião)

2- Feito em uma Assembleia Extraordinária, que tinha como pauta apenas a apresentação da prestação de contas da Secretaria , prestação essa que foi encaminhada para a CAI, sem a devida apresentação na reunião do dia 20 de Fevereiro de 2017.  E realizada após um feriado prolongado de Carnaval.

3- Não observou o item IV da 453/12  - o Plenário do Conselho de Saúde se reunirá, no mínimo, a cada mês e, extraordinariamente, quando necessário, e terá como base o seu Regimento Interno. A pauta e o material de apoio às reuniões devem ser encaminhados aos conselheiros com antecedência mínima de 10 (dez) dias; Os conselheiros não foram avisados oficialmente da situação que vinha perdurando desde 01 de janeiro de 2017 na secretaria executiva, não sabiam que a atual Secretária executiva não havia sido nomeada e estava sendo removida do  cargo e nem que se faria uma nova escolha.

Ficou claro na forma como foi conduzido o assunto pela mesa que faltou transparência com relação a escolha, possuímos na cidade de Joinville aproximadamente 10.250 ( dez mil duzentos e cinquenta ) servidores efetivos, segundo o portal de transparência do Município, dos quais aproximadamente 2.200 (dois mil e duzentos) estão lotados na Secretaria da Saúde e não foi possível encontrar mais que 02 servidores entre os 10.250 servidores efetivos que enquadre no perfil exigido – (Artigo 29 – Os recursos humanos a serem utilizados na Secretaria-executiva do CMS deverão ser profissionais de carreira da Prefeitura Municipal de Joinville (PMJ)).? Dentre esses apenas um se enquadrava no quesito nível superior e experiência em coordenação, que embora não sejam quesitos exigidos no regimento, foram pontos elencados pela mesa como decisivo.

No meu entendimento o Conselho pode e deveria deliberar pela eleição no pleno.  Conselho formaria uma Comissão Eleitoral ou a  mesa ficaria responsável pela elaboração de um edital com os critérios, perfis, período de inscrição e seleção dos candidatos. Selecionariam  3 candidatos que  seriam levados ao pleno para serem eleitos e posteriormente o candidato eleito será nomeado através de Decreto.

Sabemos que a participação popular é difícil, mas a construção de uma sociedade melhor, mais justa e democrática se faz com a participação de todos. É por isso que o controle social deve ser o mais democrático, transparente possível.

Compartilho o pensamento e o entendimento do  ex-ministro do Supremo Tribunal e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ)  Carlos Ayres de Brito:

“A participação da comunidade no SUS significa o povo assumindo enquanto instância deliberativa, tanto quanto se assumem como instância deliberativa os representantes eleitos por esse mesmo povo”

Raphael Henrique Travia is offline

Olá Angelita,

Fico feliz de vê-la por aqui também, aproveite este espaço que é de todos nós para compartilhar as experiências e opiniões sobre o SUS, que muitas vezes precisa da nossa intervenção para dar certo!

Quanto ao Conselho Municipal de Saúde de Joinville, já lhe disse minha opinião mas a reproduzo aqui  "talvez a situação mude no dia que a população eleger outro projeto de governo, pautado na ética, no respeito aos direitos humanos e também na eficiência administrativa. Olhando a situação como ela está, percebemos o retrocesso ao qual o controle social da saúde de Joinville está exposto atualmente, onde o vice presidente acha que tem direito de escolher pelos conselheiros e ainda por cima sai por ai sendo rude e mal educado com as pessoas. Sinceramente dá uma profunda tristeza e vergonha de ter sido conselheiro em outro tempo, e não temos estômago para concorrer a uma mesa diretora na gestão PMDB"

 Ha-bra-SUS

Raphael

Emilia Alves de Sousa is offline

Oi Raphael

Lamentável que uma instância criada para defender os direitos, a participação democrática e o controle social, dentro de uma ética de transparência, assuma uma atitude arbitrária como essa, atropelando os trâmites legais!

Espero que a atitude seja revista, e que tenha uma deliberação justa compatível com os princípios éticos que assume um conselho de saúde!

Emília

Raphael Henrique Travia is offline

Olá querida Emília,

Infelizmente a dinâmica dos segmentos representativos nos conselhos de saúde funciona assim: o governo representa o projeto político de um partido, os prestadores de serviço votam defendendo interesses corporativos e empresariais onde sim a saúde é vendida como mercadoria ao poder público. Os profissionais de saúde ou estão ocupando funções gratificadas e fecham com a gestão por medo de perder seu cargo, ou são constantemente silenciados e ameaçados por seus superiores. E aos usuários é dito apenas o que convém ou com números e planilhas que eles não sabem interpretar, porque não é interessante ao gestor que o povo saiba o que está por traz de suas ações e nesse cenário o cidadão de Joinville está sendo seriamente prejudicado e enganado e não vislumbro melhorias pelos próximos 4 anos.

Há-Bra-SUS

Raphael

Cristine Nobre Leite is offline

Raphael,

É pra se indignar mesmo.

Espero que tudo se resolva.

Abraços,

Cristine

Raphael Henrique Travia is offline

Olá Cristine,

Também espero que as coisas se resolvam, essa é uma história que ainda terá alguns capítulos pela frente, se algo mudar depois eu conto!

AbraSUS

Raphael

Angelita Ullrisch Lankewicz is offline

Minha solicitação e carta não foi levada ao Pleno do CMS, leram uma resposta a carta com posterior envio ao meu email
Segue abaixo a resposta; 

Conselho Municipal de Saúde Joinville

13:15 (Há 10 horas)
 
para mim
Boa tarde Angelita,

“Em resposta à correspondência eletrônica datada de 02.03.2017, analisada na reunião da Mesa Diretora do dia 07.03.2017, informamos que a Mesa Diretora utilizou das mesmas rotinas das últimas duas escolhas da Secretaria Executiva, e que está de acordo com o artigo 29 do Regimento Interno “IV – O(a) Secretário(a) Executivo(a) deverá ser servidor de carreira da PMJ, indicado(a) em lista tríplice pelo Secretário Municipal de Saúde; V – A Mesa Diretora apreciará o perfil dos candidatos e encaminhará para apreciação e aprovação do plenário;”.

Destacamos que o que compete ao Pleno, é a escolha da Mesa Diretora, com artigos específicos no Regimento Interno para tal. Quanto à SECMS, cabe ao Conselho exigir, através da Mesa Diretora, infraestrutura e recursos humanos condizentes com as necessidades do setor.” 

 Atencisamente,

 SECMS

 

 

Últimos posts promovidos


Raphael Henrique Travia is offline
5votos

"Nós" da RedeHumanizaSUS fazendo história na 1ª Conferência Nacional Livre de Comunicação em Saúde

No dia 19.04.2016 fiz logo cedo o credenciamento da 1ª Conferência Nacional Livre de Comunicação em Saúde para poder escolher as mesas das quais iria participar.

Últimos posts comentados


cleusapavan is offline
10votos

PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE: COMO ANDA O IMAGINÁRIO SOCIAL DA PERIFERIA DE SÃO PAULO

Quem trabalha ou se interessa pela temática da produção de subjetividade no contemporâneo, mais especificamente, no Brasil de 2017, vai encontrar dados muito instigantes na pesquisa recém saída do forno da Fundação Perseu Abramo: “Percepções e valores políticos nas periferias de São Paulo”.

Trata-se de uma pesquisa qualitativa em que, com categorias originais, nos aproximamos de uma construção analítica passível de nos surpreender imensamente.