Direitos dos Usuários da Saúde

Primary tabs


7votos

Direitos dos Usuários da Saúde

Mariana de Moraes Duarte Oliveira is offline

A Carta dos Direitos dos Usuários da Saúde, implementada através da Portaria 1820/2009, dispõe sobre os direitos e deveres dos usuários da saúde. Porém, sabe-se que, muitas vezes, a formalização de um documento não garante a efetividade da política. Desse modo, considero importante refletir sobre a diálogo entre usuários, profissionais da saúde e gestão enquanto ferramenta para a produção do cuidado em saúde. 

Em minha prática, enquanto psicóloga residente, observo cotidianamente que boa parte dos pacientes internados nas clínicas médica e cirúrgica residem em interiores e/ou possuem baixa escolaridade, com acesso limitado às informações referentes a direitos sociais, onde muitos sentem como a assistência ali prestado fosse um favor nosso e não um direito assegurado em lei. O diálogo, nesse caso, possibilita a promoção da saúde no sentido de construção um espaço de fortalecimento da autonomia e empoderamento do usuário ao torna-lo ciente de seus direitos e deveres em qualquer serviço de saúde e talvez ali plantar uma sementinha sobre a importância da participação social no processo de mudança dos modos de fazer saúde. A PNH traz como um dos seus nortes a importância da indissociabilidade entre gestão e atenção. As disposições da gestão atuam diretamente na assistência prestada aos usuários e por isso também é essencial que o sujeito-paciente bem como os trabalhares de saúde conheçam os modos de funcionamento e participem ativamente dos processos de decisão.

Não é um processo fácil e é marcado também por resistências, mas é possível como podemos ver em tantas experiências compartilhadas.

“As mudanças acontecem com o reconhecimento do papel de cada um”.

 6 COMENTÁRIOS

Emilia Alves de Sousa is offline

Oi Mariana,

Penso que é por aí. A Carta dos Direitos dos Usuários da Saúde é um importante dispositivo para o empoderamento  do cidadão usuário e o fortalecimento do controle social, para disparar mudanças no cenário da saúde. E nesse contexto, é importante que todos os sujeitos implicados na produção de saúde se apropriem do conhecimento desse importante documento para a efetivação dos direitos que estão postos.

O que acha de inserir uma imagem no corpo do texto para dar mais destaque à postagem.

Compartilho aqui um tutorial de ajuda.

http://www.redehumanizasus.net/ajuda

AbraSUS!

Emília

Nívia Madja is offline

Boa noite, Mari! 

Concordo com você que é preciso diálogos,  espaços para fortalecimento da autonomie e empoderamento, e a educação em saúde é um dos caminho para esses conceitos se tornarem concreto. 

A educação em saúde precisa ser pensada como parte do seviço, e não como uma atividade a mais. Precisa ser valorizar através da criação e fortalecimento dos espaços de troca de saberes, de conversa, de criação de novas possibilidades, e que os usuários de sintam parte disso. Para a gente conversar sobre saúde como direito de todos, e pensar formas de fortalecer o SUS e melhorar nossas práticas.

Abraços!

Sérgio Aragaki is offline

Muito interessante isso de a educação em saúde "fazer parte do serviço, e não uma atividade a mais". Um grande erro talvez seja justamente não compreender isso.

Aline Emílio da Mota Silveira is offline

Boa noite, Mari! Gostei da visão que você expõe sobre a carta dos direitos dos usuários de saúde. De fato, a existência de um documento não é por si só, a garantia da sua efetividade. Sua observação quanto à necessidade de empoderamento e promoção da autonomia dos usuários/as é fundamental, eles/as precisam estar cientes de que não se trata de favor e sim de dever por parte dos profissionais tratá-los de modo respeitoso e garantindo seus direitos. Portanto, para que nós possamos cobrar os nossos devidos direitos, é preciso, antes de qualquer coisa, conhecê-los. Devemos fazer circular o conhecimento para que todos, sem exceção, tenham acesso a estas informações. Independente do grau de escolaridade, do local onde reside, classe social... Ou qualquer fator existente. Não há distinção e nem justificativa para que se tenham empecilhos na efetivação dos direitos. Ele é de todos e para todos, assegurados por lei! Obrigada por lançar a reflexão e vamos, cada vez mais, propor rodas para discutir tais assuntos.  

Sérgio Aragaki is offline

É bem isso. Virar lei é super importante, mas não assegura que vai ser cumprido. Infelizmente. Um tanto disso também ocorre em relação a conhecer que tem direitos. Isso não necessariamente significa que vão ser respeitados e efetivados. Esclarecer, compartilhar, divulgar é fundamental. Mas também precisamos continuar colaborando na defesa e efetivação.

Sérgio Aragaki is offline

É sempre bom lembrar que defesa e efetivação de direitos dxs usuárixs não é contra trabalhadorxs e gestorxs. Muito pelo contrário. Colabora e fortalece muito o trabalho em saúde, ajudando a valorizar xs profissionais.

Últimos posts promovidos


Raphael Henrique Travia is offline
5votos

"Nós" da RedeHumanizaSUS fazendo história na 1ª Conferência Nacional Livre de Comunicação em Saúde

No dia 19.04.2016 fiz logo cedo o credenciamento da 1ª Conferência Nacional Livre de Comunicação em Saúde para poder escolher as mesas das quais iria participar.

Últimos posts comentados


cleusapavan is offline
10votos

PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE: COMO ANDA O IMAGINÁRIO SOCIAL DA PERIFERIA DE SÃO PAULO

Quem trabalha ou se interessa pela temática da produção de subjetividade no contemporâneo, mais especificamente, no Brasil de 2017, vai encontrar dados muito instigantes na pesquisa recém saída do forno da Fundação Perseu Abramo: “Percepções e valores políticos nas periferias de São Paulo”.

Trata-se de uma pesquisa qualitativa em que, com categorias originais, nos aproximamos de uma construção analítica passível de nos surpreender imensamente.