Filme nas férias? "Uma prova de amor"...

Versão para impressãoSend by emailPDF version

Filme: Uma prova de amor

Minha irmã, que está em férias, indicou-me este filme. Eu, que não estou em férias, assisti na segunda-feira... “intrigadíssima”, porque ela disse-me que o filme era um “drama feito pela Cameron Diaz e tinha uma história linda”, e que eu deveria “estar preparada"... chegou a comentar “que, ainda, após algumas horas, doía-lhe o peito”! Mas eu foquei apenas na informação que me pareceu engraçada, feliz – “Cameron Diaz fazendo drama” (!) e “história linda”! Iniciei a ver o filme quase meia-noite, apesar do dia... resultado: Fiquei caminhando até as três da manhã, mesmo assim, vim trabalhar ontem, mas só consigo comentá-lo após esses 2 dias! E minha irmã disse que por isso assistiu nas férias! Assistam! Eu, que outro dia indiquei assistirem outra vez o filme “Minha Vida”, digo que este traz muitas outras questões sobre o aprender-a-morrer vivendo!


Sinopse:

No drama, uma jovem chamada Kate (Sofia Vassilieva) tem leucemia diagnosticada. Sua mãe Sara (Cameron Diaz), uma advogada de sucesso afastada do ofício para cuidar da filha debilitada, e seu pai, o bombeiro Brian (Jason Patric), tentam de todas as maneiras reverter o quadro da doença, e quando veem todas as possibilidades cessarem, são aconselhados por um médico a fazer uma fertilização in vitro para que a criança se torne uma doadora. Anna nasce e desde bebê passa a doar sangue, medula óssea e células para a irmã mais velha. Só que o quadro clínico de Kate não melhora, e a única chance de uma possível recuperação é a doação de um rim. A estas alturas, Anna é uma adolescente de 11 anos e se encheu de todo esse processo cirúrgico, então decide ter uma vida normal; ama a irmã, mas quer ter controle do próprio corpo. Procura o advogado Campbell Alexander (Alec Baldwin) e resolve iniciar um processo contra seus pais, pedindo uma “emancipação médica”.

 

Alguém já assistiu?

 

Tags: saúde   vídeo   morrer   UP HUMANIZAÇÕES   ética   câncer   
 

Comentários [7]

Lição de vida

 Adorei a dica da Adri e da Lu. Com certeza o filme deve ser emocionante e uma lição de vida a todos nós. Vou assistir.

 

Beijos.

Mariane Freitas

 

Aproveite também o chá...

Oi Mari! Saudades! Aproveitando as merecidas? Esta secretaria sem ti e a Adri... tem um buraco. Aliás, dois! Mesmo assim, curta as férias, quase se esqueça de nós! Afinal, eu bem sei que um dia desses tu irás retornar, rs, continuamos na vida... Assista o filme sim, não esqueça de lencinhos de papel e aproveite a dica de chá do post vizinho (que está lindo)... www.redehumanizasus.net/node/9092 

Acho que se aquele post pudesse falar, a conversa seria alta, vá lá! Sabes notícias de onde estão os ciganos? Aqui em S.Sepé vía-se muitos, mas agora... Alguma idéia??

 

Beijos,

Lu

 

Me deixou curiosa

vamos experimentar ver o filme com a galera do posto de saúde e tomar um chá cigano, receita da Pati...acho que vai ser interessante.
 

Obrigada por tornar interessante em 2010...que promete!

Beijão

Com carinho

Cláudia Peju

Com a galera deve...

... ficar mais leve... Eu vi sozinha e não consegui dormir! Passou tanta coisa. Dá o que pensar. A Adri falou que "vai rever com os ACS" quando voltar das férias. Claro que vou estar junto, com "baldes de chá" e pipocas-doces, pode ser que... Há muitos aspectos que o filme aborda, e um deles, que quase não se pensa, é aquele de quem doa!

Beijos! Lu

Acabei de assistir o filme agora e fico pensando e agora?

como é fácil dar pitacos na vida do outro...

enfim, são leques que se abrem para que a gente tome folego e pense que o mar nasceu para todos...debulhei em lágrimas!

Na quarta-feira assisto com a Equipe e com o chá da Pati. Consegui um lugar legal, a sala de informática da prefeitura....o clima perfeito para sair do lugar....espero Encruzilhadas!

Um beijo grande em vc que deve estar em Porto na Beira do Guaiba colocando em questão a vida.

Bjão. nos dê noticias!

com muito carinho

Cláudia

 

A morte como parte do projeto da vida!

Estou aprendendo tanto! Só tenho o que agradecer a esta rede! Uma das maiores aprendizagens, e que tem se misturado com a filosofia de vida que venho desenvolvendo há alguns 20 anos (antes de conhecer a PNH), potencializando a "vida", a alegria de estar "na vida", tem sido aprender a pensar na morte como parte do projeto "do viver". Sempre sofri muito com mortes de queridos, experiências de morte física? Não que se deva "meditar sobre a morte, mas sobre a vida". Tem diferença! E o filme? A Cameron parece meio histérica, mas qual mãe não ficaria? Surpreende, a história e as atuações. Já gostava de ver a pequena Abigail Breslin (pelo filme Miss Sunshine, que dá o que rir e pensar), ela quase me enganou também! Mas bem que... requerer o direito de decidir sobre o próprio corpo, independentemente da idade, poderia remeter-nos a repensar questões éticas... compreender o sofrimento humano em qualquer idade? A irmã que doa e não quer mais sofrer (cirurgias, procedimentos, futuro incerto da própria saúde), mesmo que não compreenda que isso pode levar a irmã mais velha à morte. A adolescente com leucemia que decidiu parar de tentar viver? Só com o chá da Pat e vontade de ir além da película... Conte-nos a reação do pessoal ao ver o filme. Mês que vem trarei os ACS para cá... Beijos Peju! (FSM só na quinta e sexta, ontem fomos apenas para a abertura, confira o post  http://www.redehumanizasus.net/node/9179).

Emocionante foi a tarde

assistir ao filme...se emocionar, se fortalecer...pensar na morte e na vida...na potência dos encontros.

Autores como Freud e tantos outros nomes deram lugar a pessoas que vamos descobrindo pela estrada...transbordantes!

O Chá é receita da Pati...a idéia da organização da tarde da Lú de São Sepé....o modo de colar é da Jacqueline me trazendo Lurdinha de lembrança...o médico que nem imagina nossas conversas virou para nós e falou que deviríamos dançar. Tal como ciganos, eu, imaginei a Shirley com sua dança circular.

Construções feitas de laços de afetos Percebo que Eramo entrou na roda com Annatália, são macramês de inteligência coletiva sendo construidos...

emocionante ver o afeto brotar e o significado da palavra vida se expraiar!

Essa rede, interface, saude e doença!

amo vocês

Cláudia