VISITA TÉCNICA NO HOSPITAL ODILON BEHRENS (HOB)


18votos

VISITA TÉCNICA NO HOSPITAL ODILON BEHRENS (HOB)

Vera Figueiredo is offline

O Hospital Odilon Behrens (HOB) de Belo Horizonte (BH)  participa de um processo de parceira construído com o Ministério da Saúde e vem experimentando, de forma muito intensa, a introdução de dispositivos da humanização, orientados pelos princípios, diretrizes e método da Política.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Falar da experiência de humanização do Hospital Odilon Behrens é falar de  oportunidade para se constatar na prática “o modo de fazer” do HumanizaSUS, pois como aposta metodológica tem caminhado no sentido da inclusão, nos processos de mudança institucional, de trabalhadores, usuários e gestores, os quais são força-motor das transformações. Possibilita também a inclusão de analisadores sociais, ou mais especificamente, inclusão de fenômenos/situações que desestabilizam os modelos tradicionais, potencializando processos de mudanças de práticas de atenção e gestão.

Assim o Hospital Odilon Behrens vem produzindo mudanças importantes nas práticas de gestão e de atenção hospitalar, constituindo-se, portanto, em importante referência para a implementação da Política Nacional de Humanização, sobretudo porque aposta um modo de fazer coletivo. Nesta medida, o HOB ocupa um novo e estratégico lugar na rede, que é servir de referência metodológica e técnica para outras instituições que estão em processo de implementação da Humanização.

Entre os dispositivos experimentados no HOB, vale ressaltar o Acolhimento com Classificação de Risco (ACCR), a Visita Aberta e o Direto a Acompanhante e a sua organização em Unidades de produção e Linhas de Cuidado, os Contratos Internos de Gestão e, ainda dois projetos especiais como os voltados para a Ambiência e o Kanbam.

Assim, desde 2007 o HOB passou a ser um centro colaborador da Política de Humanização e para viabilizar este lugar institucional foi fortalecida a parceria entre o HumanizaSUS/MS e o HOB para a realização de visitas técnicas, considerando agenda pactuada a partir de solicitações de consultores do HumanizaSUS em articulação com secretarias e serviços de saúde de várias regiões do País.

As visitas técnicas já permitiram a participação de mais de 170 diretores de hospitais, secretários de Saúde, gerentes e trabalhadores estratégicos dos hospitais e secretarias das regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul. O Ministério da Saúde, através do HumanizaSUS tem apoiado técnica e financeiramente esta atividade, por considerar sua força multiplicadora no desenvolvimento de iniciativas em outras instituições hospitalares.

A programação tem sido organizada para estabelecer trocas solidárias entre a gestão e trabalhadores do HOB e participantes da visita, sobretudo para discussão dos dispositivos - Acolhimento com Classificação de Risco, Co-gestão (colegiados e Contratos Internos de Gestão), Visita Aberta e Direito a Acompanhante, problematizando o processo e o modo de implementação, considerando o método da tríplice inclusão.

 A metodologia da Visita Técnica contempla levantamento de expectativas dos visitantes, leitura de cenário, exposições dialogadas, discussões em plenárias, subgrupos para observação participante nas unidades, mesa de trabalhadores do HOB, apresentação de vídeos, avaliação e registro de manifestações avaliativas espontâneas participantes. A visita às unidades é sempre acompanhada pela direção do hospital e não se restringe ao Pronto Socorro, passando por todas as Unidades de Produção do hospital

A visita técnica é considerada pelos visitantes uma importante estratégia para a implementação da humanização, pois o HOB tem uma experiência encarnada nos princípios, diretrizes e dispositivos da Política Nacional de Humanização, sendo uma oportunidade de ver a Política Nacional de Humanização viva e atuante no cotidiano do hospital.

É por esta razão que a visita técnica se transformou em dispositivo da PNH e as avaliações demonstram ser esta estratégia uma rica troca de experiências entre trabalhadores e gestores hospitalares e consultores do HumanizaSUS, e uma oportunidade de ver na prática “o modo de fazer” da Política através de toda uma lógica que antecede e ultrapassa a simples implantação de dispositivos.

Os desafios apontados pelos visitantes, registrados em seus relatórios/avaliações, apontam para a necessidade da apropriação da lógica de Cogestão e modo de fazer pelo conjunto de trabalhadores e usuários, de forma a garantir sua permanência como modo de fazer, ampliando os espaços de análise e decisão coletiva, pois só isso garantirá a apropriação ética e política do modelo pelos trabalhadores e usuários.

Em 2009 foram programadas 04 Visitas técnicas, sendo que  03 já foram realizadas. A participação tem sido assegurada via coletivos regionais da PNH e priorizados os hospitais/instituições que estão implementando a PNH.


 

 

 

 

 

 

 

 

Estabelecer trocas solidárias entre a gestão e trabalhadores do HOB e participantes da Visita Técnica e apresentar/discutir processos de construção de dispositivos da Humanização, à luz dos referenciais da PNH, são os objetivos das Visitas Técnicas ao HOB.

 

 10 COMENTÁRIOS

nilson Apollo Santos is offline

  Embora eu já não participe mais desse nobre e gratificante mover na area de saúde...

 O minimo que pude fazer foi deixar meu relato, para que talvez incentive mais pessoas a fazerem a diferença.

 Pois a meu ver é disso que não só a saúde precisa, mas sim o mundo, mais emoção, mais comprometimento, mais empatia e veracidade em suas ações...

 Mesmo distante estarei sempre disposto a ajudar, ok?

 nilson_apollo@hotmail.com

Sérgio Aragaki is offline

Olás!

Vera, fiquei muito feliz em ler esse post. Já ouvi você e outros consultores e outras consultoras falando do HOB e sempre tive vontade de conhecer o belo trabalho desenvolvido lá. Agora tenho um pouco mais de clareza a respeito. O que só aumenta o desejo... rsrsrs

Realmente é importantíssimo darmos visibilidade a todas essas experiências maravilhosas que têm acontecido em nosso país. Parabéns para tod@s envolvid@s nesse processo.

Abraços,

Sérgio Aragaki

"Olhar é olhar na altura dos olhos" (in: Conversas sobre o invisível)

Vera Figueiredo is offline

Companheiro Apollo,

reencontrá-lo na RHS foi motivo de alegria renovada.Renovada porque sua participação no dia a dia do Hospital Odilon Behrens na porta de entrada do Pronto Socorro no trabalho com seus usuários e equipe, demonstravas que o SUS é uma política inclusiva e de qualidade!

Não me esqueço e muitos que passaram pelo hospital certamente se lembram. Refiro-me ainda aos que passaram pelas visitas técnicas que ao ouvi-lo falar do efeito PNH em sua vida, queriam cloná-lo ou levá-lo no pen drive. Isto se devia ao que você expressava de compromisso e concretizava com o acolhimento, com seu trabalho na defesa dos direitos dos usuários, com sua participação nas rodas ajudando nas análises sobre o trabalho na Unidade, sugerindo propostas de mudanças, corresponsabilizando-se com elas. Ficava claro para todos que para o chefe da segurança que não era mais necessário o uso de arma, pois o lugar era da conversa com respostas ás necessidades dos usuários que por ali passavam.

É isto aí companheiro! O HOB e especialmente muitos Apollos que ali trabalham demonstram que atenção e atenção e gestão não se separam e que o SUS é possível!

Um abração, Vera

 

Últimos posts promovidos


gustavonunesoliveira is offline
12votos

Marcus Matraga e as nossas lutas! Luto e Homenagem!

Hoje soube logo no começo da tarde, através de nota do Movimento Nacional de Luta Antimanicomial veiculada pelo Facebook da tragédia ocorrida no município de Jaguaripe. O senhor barbudo que andava se metendo em conflitos entre Fazendeiros e Indígenas foi sequestrado e assassinado esta noite de 4/02/2016. O nome dele de nascença é Marcus Vinicius de Oliveira Silva, mas nós o conhecemos com o nome de Marcus Matraga, do movimento de Luta Anti Manicomial.

Últimos posts comentados


deboraligieri is offline
6votos

Os sentidos do (re)nascer e do morrer e o diabetes (viver ou morrer, eis a questão)

Desde que fui diagnosticada com diabetes tipo 1 em 1986, aos 9 anos de idade, recebi orientações sobre os riscos que a doença não tratada poderia me trazer. Ouvi muitas histórias - de médicos, profissionais de saúde e amigos dos meus pais - sobre pessoas que não se cuidaram e que morreram jovens com deficiências múltiplas em função das complicações do diabetes mal controlado.