Seleção de tutores para Curso de Apoio Matricial na Atenção Básica


14votos

Seleção de tutores para Curso de Apoio Matricial na Atenção Básica

Emilia Alves de Sousa is offline

atencao.jpg

130 profissionais serão selecionados para atividades de tutoria do Curso de Apoio Matricial na Atenção Básica

Permanece até o dia 4 de dezembro o período de inscrições para a seleção de tutores do Curso de Apoio Matricial na Atenção Básica, com ênfase nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (Nasf).
O curso é uma iniciativa dos Departamentos de Gestão da Educação na Saúde (DEGES/SGTES) e de Atenção Básica (DAB/SAS) do Ministério da Saúde em parceria com a Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) Sérgio Arouca, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Podem participar do processo seletivo profissionais graduados ou com especialização nas áreas da saúde que atendam, entre outros requisitos: (a) possuir experiência docente/pedagógica na área da saúde; (b) ter disponibilidade para participar das atividades presenciais do curso, além de 20 horas semanais para o exercício da tutoria à distância; (c) experiência com supervisão clínico-institucional, apoio institucional e/ou apoio matricial; (d) experiência no cuidado e/ou na gestão da atenção básica e de outros serviços integrantes de redes temáticas; (e) experiências com processos de Educação Permanente e/ou com abordagens ativas e inovadoras de ensino-aprendizagem.

Para se inscrever, os interessados devem acessar http://inscricao.ead.fiocruz.br/284 e preencher a ficha de cadastro. Também é necessário enviar pelo Correio toda a documentação comprobatória exigida no edital junto com o comprovante de postagem. Serão selecionados 130 tutores.
Atividades dos tutores

Os tutores selecionados atuarão como docentes mediando o processo ensino-aprendizagem na construção do conhecimento dos alunos, realização de atividades e desenvolvimento de habilidades e valores.
Cada tutor acompanhará até 20 alunos, por meio eletrônico, via telefone e, quando necessário, pela realização de um plantão presencial de 4 horas semanais, com base no material didático especifico e nas normas acadêmicas da ENSP/Fiocruz.

Após a fase de formação, os tutores deverão participar dos três momentos presenciais com os alunos, bem como, eventualmente, de reuniões com o orientador de aprendizagem ou a coordenação do curso. Os tutores receberão bolsa mensal no valor de até R$ 1.500.

Sobre o curso
Ao todo, o curso tem carga horária de 180 horas, sendo previstas 100 horas à distância e 80 horas de forma presencial, com duração de sete meses.
Tem como objetivos principais apoiar e ofertar ferramentas para a implantação e implementação dos Núcleos de Saúde da Família; contribuir para a difusão e o aprimoramento das práticas de apoio matricial na atenção básica; fomentar intervenções contextualizadas nos territórios; formar 2.600 “alunos- multiplicadores” para a realização do trabalho incorporando a perspectiva do apoio matricial; e mobilizar atores para o processo de qualificação da atenção básica.

Mais informações
pseletivo@ead.fiocruz.br
Clique aqui para acessar a íntegra do edital.
25/11/2013

 0 COMENTÁRIOS

Últimos posts promovidos


Rede Humaniza FMUSP-HC is offline
5votos

Música e Memórias no Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

A leveza da voz e a magia do som do violão do trio musical Casa da Serenata tomou conta do Instituto do Coração (InCor), espalhou-se pelo hall de entrada do hospital, pelas enfermarias e U.T.I’s infantis, em abril de 2016.

As crianças cantaram cantigas de roda com suas mães, dançaram nos berços, os idosos emocionados viram despertar lembranças adormecidas da juventude. Os profissionais paravam para ouvir e pediam suas canções preferidas, cantando e sorrindo, num breve intervalo de seu cotidiano agitado e corrido com suas múltiplas atividades.

Últimos posts comentados


karinadosantos is online
1votos

Regionalização

A regionalização aqui no Brasil, ainda está em processo e avança aos poucos. A principal dificuldade está na interação do governo regional com o Ministério da Saúde e os municípios. Um arranjo para desconstruir isso seria uma efetiva de cogestão entre estados e municípios. Outro desafio é fazer um planejamento regional, que atenda a população em todos os níveis de necessidade, o que significa melhorar a oferta pública de serviços de saúde, visto que há uma grande procura de serviços privatizados no Brasil.