Grupos de Saúde Mental

Versão para impressãoSend by emailPDF version

GRUPO NÓS E OFICINA "CINS"

Aqui em Joinville temos desenvolvido em uma unidade de saúde da 

rede municipal dois grupos em Saúde Mental:

GRUPO NÓS -  nome criado pelo próprio grupo a partir de uma roda de conversa. É composto por pessoas com sofrimento psíquico grave, em processo de desligamento dos CAPSII ou CAPS III. É coordenado por duas psicólogas e uma terapeuta ocupacional. Nos encontramos toda semana, às quartas-feiras, dutante duas horas. São desenvolvidas atividades que o próprio grupo escolhe. Temos momentos de roda de conversa, sobre os mais variados assuntos, inclusive desabafos; momentos de atividades lúdicas, artísticas e vez ou outra fazemos um passeio pelos arredores da cidade, conforme escolha do grupo. Costumamos registrar tudo que acontece em cada encontro e arquivamos em uma pasta confeccionada pelos integrantes: é a memória do grupo. O grupo existe há quase quatro anos e temos vivenciado momentos muito gratificantes, pois constatamos a cada encontro que presença humanizada e contato são fundamentais para a saúde mental.

 OFICINA "CINS" - o nome é a sigla de "cidadania e inclusão social". É uma proposta de encontros em que a atividade é o "motivo" inicial para a roda de conversa. O grupo se reune toda semana às terças-feiras com duas horas e meia de duração. É coordenado por uma psicóloga e uma terapeuta ocupacional e coposto somente por mulheres. Estas criam e confeccionam artigos de artesanato, sendo que no momento decidiram se especializar em panos de prato. Este material é comercializado em eventos na comunidade e a verba arrecadada é revertida para a compra de novos materiais, assim como em atividades de lazer que o grupo decide por votação o que irá fazer. Este trabalho tem trazido muitos benefícios para as participantes do grupo. Muitas iniciaram atividades em casa para comercializar.

Estado/Cidade: Acre/Acrelândia
 

Comentários [15]

 Arraiár do Saguaçú


 

  

Festa Julina Grupo Nós 2008 e que venha a próxima...

 NÓS - "Aqui as coisas

 

NÓS - "Aqui as coisas acontecem!"

 

 

 

Tenho o prazer de estar no Grupo Nós, faço parte da coordenação com a Angela e a Cristiana, iniciamos este trabalho juntas, pensando em como construir em comunhão com os usuários um espaço de co-responsabilização, ação integral associada ao tratamento digno, respeitoso, com qualidade, acolhimento e vínculo. 

No Grupo Nós cada participante exercita sua fala, sua opinião, seu silêncio, defendendo seus pontos de vista. Cada participante é diferente, tem sua identidade e as pessoas quando mobilizadas podem ser capazes de transformar realidades.

Somos NÓS fazendo o SUS.

Abraço,

Juliana

TRABALHANDO EM EQUIPE COM A COMPLEXIDADE

Querida amiga de equipe!

A clínica ampliada é isto mesmo: um compromisso ético e radical com os usuários do SUS, vistos de modo singular em suas diferenças. Cabe então a nós, profissionais da saúde, trabalhar em equipe para lidar com a complexidade dos Sujeitos e a multiplicidade de fatores envolvidos no processo do adoecer.

Um grande abraço, Angela.

SEMANA DE CONSCIENTIZAÇÃO

SEMANA DE CONSCIENTIZAÇÃO E ORIENTAÇÃO SOBRE SAÚDE MENTAL

de 18 a 22 de maio em Joinville/SC

Esta semana que faz parte das comemorações da Luta Antimanicomial em

Construção e reconstrução de autoestima

Oi Angêla,

Gostei muito do trabalho de vocês. Muito

relevante na criação de possibilidades de encontros,

lazer, entretenimento, satisfação, vínculo afetivo,

e acima de tudo, construção e reconstrução de

autoestima.

O fazer em grupo é, sem dúvida, muito  importante para o êxito de

qualquer processo terapêutico.

E a ideia de fazer a memória do grupo, muito rica!

Parabéns e muito sucesso na iniciativa de vocês!!!

Um abraço!!!

Emília

 

Coletividade: a grandeza do trabalho em equipe com grupos

Olá Emília!

Obrigada pela sua participação...palavras boas de ler. De fato o encontro em coletividade na atenção em saúde é de uma riqueza e grandiosidade que na maior parte das vezes não abarcamos a dimensão em sua totalidade. Na realidade o que é possível de ser vivencido são os sentimentos, o movimento do grupo e, tão importante como estes, o nosso próprio movimento e crescimento enquanrto profissional e equipe de saúde. Um abraço, Angela.

Esta é a nossa equipe em uma festividade de São João

 

MOMENTOS "CINS": bazar de

MOMENTOS "CINS": bazar de Natal na Secretaria da Saúde, festa de final de ano e atividades durante a realização dos encontros da oficina.

Saúde Mental

 Ótimo trabalho estão desenvolvendo inclusive a do passeio acredito que esta ação oferece co-responsabilidade a eles com o direito de ir e vir, empoderando e acompanhando a evoluão da cidade.

Humanizando a Saúde Mental em Joinville/SC

                                    

 Grupo NÓS durante a confecção da capa do SEMANÁRIO: uma atividade combinada e decidida com a participação de todos.

Usuários Homens nos Grupos: Dificuldades

  Olá Angela,

  Muito lindo este trabalho. Percebo pelo que escreves, incluindo as fotos e os comentários, que o Grupo tem sua "função continente de grupo" muito fortalecida com a atividade do Semanário, no sentido mesmo de aceitação e afirmação da presença acolhida. Percebo também que a expressão simbólica deve estar presente, nas demais atividades. O GrAImSa aconteceu durante 8 meses, semanalmente, e as vezes quinzenalmente; houve a participação de um homem apenas (usuário), e mulheres: uma adolescente (usuária) de 19 anos, duas ACS, e tres outras usuárias adultas. No Grupo maior onde o GrAImsA  entrava no Grupo de Hipertensos e Diabéticos, para vivencias de Danças Circulares apenas, eramos entre 20 pessoas, e estiveram presentes mais um usuário homem, além do estagiário de Fisioterapia. Acho este um fato preocupante, a dificuldade que os homens ainda mantém em relação a se incluirem nos Grupos. Sei que existe uma linha de Cuidados para eles, mas ainda muito inicial, da qual nunca mais ouvi falar.

Parabéns pelo seu trabalho !!!

Shirley Monteiro.

 

Uma questão de Gênero?

Prezada Shirley!

Em primeiro lugar quero agradecer seu contato. Muito boas suas colocações. E levando adiante esta conversa lhe pergunto provocativamente: não é verdade que todos nós que trabalhamos na saúde temos a vivência de que ela é "feminina"? Tradicionalmente o cuidar esteve reservado às mulheres . Sem julgamentos penso que isto é um processo histórico e que nós é que podemos transformar esta prática. Os homens estão excluídos e se excluem do "fazer com sensibilidade", seja como cuidador seja como cuidado. É a mudança de lógica neste fazer que poderá trazer o novo e acredito que a humanização em saúde pode contribuir muito com isto.

Um grande abraço, Angela.

Bom Dia Angela

 Que bom entrar o feriado do Dia do Trabalho, conversando de madrugada na Rede da Humanização !!! Sinal que amamos o que fazemos.

  Sim eu concordo contigo que as linhas de atuação no Cuidado são marcadamente femininas. Mas para trazer Jung, e encorajar os homens cuidadores, já encontramos muitos deles nas linhas de cuidado , lutas e enfrentamentos do SUS - representantes que são de uma Anima desenvolvida, que lhes anima a Alma com a sensibilidade do cuidado. Muito menos presentes estão ainda os homens no Cuidado de Si, e nos Grupos, em relação às usuárias, e este é mais um desafio para nós.

  Até mais !! Um ótimo feriado.

  Shirley Monteiro.

Envolvente!

Cara Ângela,

Muito interessante o trabalho de vocês; envolve afetos, ludicidade e criatividade de forma a valorizar os sujeitos e potencializá-los.

Encantou-me também a idéia de guardar as memórias do grupo. Percorrendo os trajetos das memórias, valorizamos as conquistas e possibilitamos aprendizado aos que chegam.

com carinho,

Jacqueline
 

A memória do grupo

Oi Jaqueline!

Obrigada pela sua mensagem e seu carinho. A memória do grupo é algo muito especial mesmo. O grupo denomina o momento do registro de "semanário", pois de acordo com os participantes "nós nos encontramos uma vez por semana então é semanário". Vez ou outra alguém quer ver a pasta onde estão arquivados os trabalhos feitos como desenhos, escritos, fotos...O momento do registro é também muito legal, pois cada um pode registrar o que quiser, conforme o que aconteceu naquele encontro. É um momento em que ao se expressar acontece um "marco" de presençai, isto é, uma confirmação de sua existência. Isto é protagonismo, não é mesmo?

Um abraço

Angela