Acolhimento com Classificação de Risco na dengue


7votos

Acolhimento com Classificação de Risco na dengue

Anônimo is offline

As epidemias de dengue não são imprevisíveis e cabe ao gestor medidas para diminuir sua incidência, garantir o acesso e qualificar profissionais em sua avaliação e manejo. ( http://portal.saude.gov.br/saude/ ). No Rio de Janeiro, a PNH/SAS/MS, em ação conjunta com a SES/DEC, propõe uma avaliação dos casos com suspeita de dengue a partir de protocolos elaborados de acordo com critérios  do MS/SVS e OMS, associados a cores conforme Planos de Catástrofes ( www.acolhimento.com ).

Os protocolos não só têm a função de diagnóstico e tratamento, como também a de orientar os fluxos na Rede de Atenção, propor responsabilizações, avaliar insumos e necessidade de profissionais.

Veja os arquivos:

  1. Acolhimento com classificação de risco na febre de até 7 dias;
  2. Manejo clínico na dengue;
  3. Capacitação de médicos na dengue.

Veja os filmes:

  1. WHO - Dengue Haemorragic Fever, East Timor
  2. FIOCRUZ - Aedes Aegypt

 0 COMENTÁRIOS

Últimos posts promovidos


Talita Lima is offline
11votos

O SEGREDO DE THOMY - Redes de Atenção à Saúde

Você sabe o que são as Redes de Atenção à Saúde (RAS)? Ainda não? Então vai aprender nesse post, bom, assim eu espero kkk Vamos lá: De uma forma simples as RAS são diversos tipos de serviços que interagem entre si para promover um tratamento continuo a você, à sua família e a todo nós! Pra ficar mais fácil, vamos entender neste exemplo: Esse é o Thomy: Thomy sofre de um problema de saúde delicado e que precisa de cuidados contínuos e de vários profissionais com diferentes especialidades para tratar de seu problema, pois sua saúde é muito frágil. Thomy trabalha e mora na Cidade A.

Últimos posts comentados


carolmonjardim is offline
0votos

O ESSENCIAL É INVISÍVEL AOS OLHOS – SAÚDE DA POPULAÇÃO DO CAMPO, FLORESTA E DAS ÁGUAS

A conquista por uma saúde integral concebida pelo Estado e o reconhecimento dos determinantes sociais na saúde, sem dúvidas foram avanços importantíssimos, porém até o ano de 2011, restritas as necessidades urbanas. Apesar das transformações territoriais e do desenvolvimento econômico, o Brasil possui cerca de 15,6% de agricultores e camponeses, que possuem necessidades específicas de saúde desde os processos de adoecimento até as práticas de cuidado.