Projeto Acolhendo na UTI ajuda pacientes na recuperação

Primary tabs


10votos

Projeto Acolhendo na UTI ajuda pacientes na recuperação

Fatima Oliveira-Hospital Getúlio Vargas-Pi is offline

 Acolhendo na UTI, esse é o nome do projeto que vem sendo implementado pelo Grupo de Trabalho de Humanização através do Serviço de Terapia Intensiva, Setor de Psicologia e Serviço Social do Hospital Getúlio Vargas (HGV), tendo como principais objetivos orientar e ajudar pacientes e familiares a superarem a ansiedade e os momentos difíceis do processo de hospitalização, bem como lidarem com a forte carga emocional que normalmente envolve quadros clínicos delicados.

 

“O atendimento psicológico em uma UTI se reveste de uma importância particular por ser um ambiente de alto grau de estresse que envolve não só o paciente, mas também toda a família e a própria equipe de profissionais. Trabalhamos as pessoas de acordo com o estado emocional de cada uma. Dai a importância desse projeto, que faz parte do Plano de Ação de Humanização adotado pelo HGV, e dentro das diretrizes da PNH”, explica a psicóloga Zilma Bento.

 

A estudante Eliane Sousa, 19 anos, está com uma tia internada em uma das UTI’s do Hospital e diz que achou muito boa a iniciativa. “Fica mais fácil entender o problema que o paciente tem, pois tudo nos é repassado pela psicóloga de uma maneira que transmite tranquilidade e segurança, diminuindo o estresse de quem tem um parente internado em uma Unidade de Terapia Intensiva”.

 

“Além dos projetos de modernização, ampliação da estrutura e abertura de novos serviços de alta complexidade, o Hospital também tem priorizado investimentos em projetos de humanização visando a oferecer um atendimento cada vez mais humanizado aos usuários. “Já avançamos muito nesse sentido, mas é preciso melhorar sempre. Para isso nosso Grupo de Trabalho de Humanização (GTH) tem trabalhado conforme a Politica Nacional de Humanização do Ministério da Saúde (MS)” , destaca o diretor geral do HGV, Carlos Iglézias Brandão.

 

Iglézias ressalta que para assistir aos pacientes em pós-operatório de procedimentos cirúrgicos de alta complexidade e de doenças graves, que necessitam de cuidados especiais e monitorização contínua, o Serviço conta com modernos equipamentos e uma equipe multiprofissional constituída por 16 médicos plantonistas e 03 diaristas, fisioterapeutas, nutricionistas, psicólogos, assistentes sociais, enfermeiros e técnicos de enfermagem.

 

O horário de visita nas UTI’s foi ampliado e acontece das 15h ás 17h; e são fornecidos dois boletins diários que informam aos familiares sobre a evolução do quadro geral de cada paciente.

 

 

 2 COMENTÁRIOS

Fatima Oliveira-Hospital Getúlio Vargas-Pi is offline

O Projeto Acolhendo na UTI procura envolver toda a equipe que trabalha na UTI, além de familiares e pacientes com informações sobre o real estado de saude do paciente, acolhimento dos familiares e atendimento psicológico caso necessário. É importante ressaltar o compromisso dos profissionais com este Projeto que atua diariamente, 

a equipe está de parabéns,

Fatima Oliveira

GTH/HGV/PI

 

 

Annatália Meneses de Amorim Gomes is offline

Caros amigos do HGV

O acolhimento é uma atitude presente em todo o serviço de saúde, por todos os trabalhadores, que bom este trabalho na UTI uma área reconhecida como produtora de estresse para usuários, familias e trabalhadores....Parabéns!

E aos poucos....a humanização vai avançando....

Bjs

Annatália

Últimos posts promovidos


Maria Luiza Carrilho Sardenberg is offline
6votos

RedehumanizaSUS e Saúde!Brasileiros entrevistam as idealizadoras da série Unidade Básica

 

Pela primeira vez, uma série médica brasileira baseada em casos reais revela os conflitos e vitórias de uma equipe de saúde da família da rede pública e seus pacientes

Últimos posts comentados


Clyton A P Houly ClytonDiAju is offline
1votos

SEIS MESES NO PROGRAMA MAIS MÉDICOS PARA O BRASIL. UMA VIAGEM INTERESSANTE AO MUNDO DO ESTRESSE-PARTE HUM

 

1. COMECEI NO PMMG-PROGRAMA MAIS MÉDICOS PARA O BRASIL EM 01.03.2016

2. CADASTRADO NO CNES DESDE 2007 COMO MÉDICO DE FAMÍLIA, SEMPRE CONTRATADO EM SITUAÇÃO PRECÁRIA, DISSE PRÁ MIM MESMO, FINALMENTE VOU TRABALHAR 03 ANOS NA MESMA EQUIPE, NO MESMO MUNICÍPIO, PROTEGIDO PELA CONDIÇÃO DE BOLSISTA DO PMMG, DEIXANDO DE SER "EMPREGADO DO PREFEITO"