Maternidade implanta serviço de Acolhimento por Classificação de Risco em Roraima

Primary tabs


13votos

Maternidade implanta serviço de Acolhimento por Classificação de Risco em Roraima

wagcst is offline
Tags: 
ACCR

 

O Hospital Materno Infantil Nossa Senhora de Nazareth (HMINSN) implantou no dia 13 de setembro de 2011, o serviço de ">Acolhimento por Classificação de Risco. Na recepção da unidade foi instalado um banner para os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) entenderem como funciona o serviço.
De acordo com a diretora do HMINSN, Ana Carolina Brito, o banner foi instalado na sala de acolhimento. No local, o paciente tem o primeiro contato com o enfermeiro. Com isso, elas entenderão quais os critérios utilizados para a ordem de chamada. “Com isso, o estado pretende dar assistência com qualidade e resolutividade aos pacientes”, afirma.
A metodologia classifica a ordem de atendimentos por meio de cinco cores: vermelho, laranja, amarela, verde ou azul. As cores indicam o estado de saúde do paciente e, com isso, a ordem de atendimento. De acordo com a queixa apresentada pelas pacientes, durante a triagem, o enfermeiro plantonista pintará na ficha de atendimento com a cor correspondente a um dos graus de risco.
A ideia é garantir que os casos mais sérios tenham prioridade, pois nem todo mundo que procura atendimento na rede hospitalar é caso de emergência. Assim, cada cor tem um significado dentro da unidade de saúde. O vermelho significa atendimento imediato e é utilizado em casos de emergência, ou seja, quando o paciente corre risco de morte.
A cor laranja é para casos de muita urgência, quando a pessoa precisa de atendimento rápido, mas não corre risco de morte. Já, a cor amarela é para ocorrências de urgências.
Os casos de menor urgência são classificados com a cor verde. As pacientes identificadas pela cor azul são de atendimentos que deveriam acontecer nas Unidades Básicas de Saúde (UBS). Por isso, classificados como não urgentes.

A IMPLANTAÇÃO
O Acolhimento com Classificação de Risco era uma das metas do PLANO DE QUALIFICAÇÃO DA ATENÇÃO EM MATERNIDADES E REDE PERINATAL DO NORDESTE E AMAZÔNIA LEGAL que vem sendo desenvolvido no HMI em parceria com o Ministério da Saúde. Como no Estado não havia nenhuma instituição com o serviço organizado seguindo as diretrizes do ACCR, foi necessário um longo trabalho de sensibilização e formação da equipa.
Várias oficinas foram realizadas, inclusive com a presença da consultora do PQM (Aline Costa) e outras conduzidas pelo grupo de enfermeiros da maternidade para a formação e treinamento da equipe. Além disso, a Secretaria de Estado da Saúde/RR promoveu várias entrevistas nos meios de comunicação para esclarecer a população quanto a metodologia de classificação de risco e suas vantagens no serviço de urgência e emergência.
O apoiador institucional do PQM (Wagner Costa) acredita que a implantação desse serviço será um marco no SUS Roraima, diz ele: “O trabalho realizado pela equipe do HMI em parceria com o Minitério da Saúde através do Plano de Qualificação vem transformando os processos de trabalho na maternidade e mostrando a todos em nosso Estado que é possível implementar serviços humanizados quando os trabalhadores, gestores e usuários participam das decisões”.
O Ministério da Saúde (MS) vem implementando o serviço de acolhimento por classificação de risco desde 2004. A metodologia foi reforçada pela Rede Cegonha, por meio da portaria federal publicada em junho deste ano, que determina a implantação do serviço de Acolhimento nas maternidades do país.

 O arquivo do banner pode ser copiado livremente, está em formato Corel: (clique aqui)

 7 COMENTÁRIOS

wagcst is offline

Quero registrar os parabéns a todos os envolvidos no PLANO DE QUALIFICAÇÃO DA ATENÇÃO EM MATERNIDADES
E REDE PERINATAL DO NORDESTE E AMAZÔNIA LEGAL, principalmente a equipe de apoiadores e supervisores que estão demonstrando a força da Política Nacional de Humanização. Nossos agradecimentos a equipe de trabalho do Hospital Materno Infantil Nossa Senhora de Nazareth que abraçou o PQM como ferramenta de trabalho.

 

Aline Costa is offline

Como Apoiadora/Supervisora do PQM no estado de Roraima, fico extremamente feliz com tantas consquistas e avanços da Matenidade Nossa Sra de Nazaré!

A garantia dos direitos das mulheres e crianças tem sido efetuvada a cada dia!

Com trabalhadores e gestores compromissados, estamos, através da construção e início do ACCR em obstetrícia, garantindo mais um princípio do SUS: a equidade!

E com a comunidade tomando para si este modo de funcionar, sentindo-se se pertencente e corresponsável pela matenridade, estamos reduzindo mortalidade materna e neonatal e produzindo coletivamente vidas mais saudáveis e encontros mais felizes!

Abraços saudosos, mas jajá chego ai!

Aline Costa

Mariella is offline

 ô gente, 

essa maternidade está um sucesso!

Vou querer conferir de perto essas novidades!Dá uma linda reportagem!!!

De longe, ficamos no aguardo de fotos e relatos de usuárias e seus familiares em contato com a novidade!!

PArabéns SUS! 

Shirley Monteiro is offline

 Parabéns  Aline !!

Esta felicidade que sentes tem gosto de realização do SUS que dá certo, não é ?

E a cada avanço,  mais desafios, ... esse é o caminho do crescimento do SUS  que não nos deixa parar.

Bjos,

Shirley Monteiro.

Ana Rita Trajano is offline

Aline e tod@s participantes deste projeto/ação!

"Experiências de um SUS que dá certo!"

"Onde dá SUS dá certo!"

AbraSUS,

 

Ana Rita Trajano

PNH/MS- Sudeste III- Minas

Emilia Alves de Sousa is offline

Parabenizo `a  equipe do HMINSN de Roraima pela iniciativa de implantaçao do ACR. O nascimento e´ sem duvida, um dos momentos mais importantes da vida de uma pessoa, e e´ extremamente necessario que aconteça com respeito, atençao e resolutividade.

Um abraço!!!

Emilia

Angela Vaz7 is offline

Queria copiar para imprimir não conseguir visualizar não dar para mandar por emailsanglavaz7@uol.com.br.

Últimos posts promovidos


Maria Luiza Carrilho Sardenberg is offline
8votos

RedehumanizaSUS e Saúde!Brasileiros entrevistam as idealizadoras da série Unidade Básica

 

Pela primeira vez, uma série médica brasileira baseada em casos reais revela os conflitos e vitórias de uma equipe de saúde da família da rede pública e seus pacientes

Últimos posts comentados


Clyton A P Houly ClytonDiAju is offline
3votos

SEIS MESES NO PROGRAMA MAIS MÉDICOS PARA O BRASIL. UMA VIAGEM INTERESSANTE AO MUNDO DO ESTRESSE-PARTE HUM

 

1. COMECEI NO PMMG-PROGRAMA MAIS MÉDICOS PARA O BRASIL EM 01.03.2016

2. CADASTRADO NO CNES DESDE 2007 COMO MÉDICO DE FAMÍLIA, SEMPRE CONTRATADO EM SITUAÇÃO PRECÁRIA, DISSE PRÁ MIM MESMO, FINALMENTE VOU TRABALHAR 03 ANOS NA MESMA EQUIPE, NO MESMO MUNICÍPIO, PROTEGIDO PELA CONDIÇÃO DE BOLSISTA DO PMMG, DEIXANDO DE SER "EMPREGADO DO PREFEITO"