Saúde Mental e a Atenção Básica

Primary tabs


10votos

Saúde Mental e a Atenção Básica

Anônimo is offline
Faculdade da Serra Gaúcha
Pós-Graduação em Saúde Mental Coletiva
Disciplina: Saúde mental na Atenção Básica e o matriciamento
Trabalho realizado por: Ariane, Kassandra, Silvana, Vanda, Viviane, Márcia e Érica.
Prof. Judete Ferrari (judeteferrari@ibest.com.br)
 
 
A IMPORTÂNCIA DA REALIZAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA
 
Os princípios e diretrizes da Saúde Mental na Atenção Básica consideram o ser humano na sua integralidade, e na inclusão social do portador de transtorno mental, vindo ao encontro da proposta para o desenvolvimento, amadurecimento e prática da Reforma Psiquiátrica.
O Sistema Único de Saúde tem como princípios o acesso universal, público e gratuito às ações e aos serviços de saúde, à integralidade das ações, à eqüidade da oferta de serviços, sem preconceitos ou privilégios de qualquer espécie, à descentralização político-administrativa, com direção única do sistema em cada esfera de governo e ao controle social das ações, exercido pelos Conselhos de Saúde com a participação popular, prestadores de serviço, organizações da sociedade civil e instituições formadoras.
A gestão da Política de Saúde Mental é tarefa complexa, descentralizada, com diversos níveis de decisão e de controle social. A III Conferência Nacional de Saúde Mental forneceu os substratos políticos e teóricos para a Política de Saúde Mental no Brasil.
Com a rede de atenção à saúde mental de base comunitária, para a sua construção é necessário um movimento permanente, direcionado para os outros espaços da cidade, em busca da emancipação das pessoas com transtornos mentais. As equipes da atenção básica por estarem próximas das famílias e comunidades, são estratégicas para o enfrentamento de importantes problemas de saúde pública, como os agravos vinculados ao uso abusivo de álcool, drogas e transtornos mentais.
Para que um dos principais desafios da Reforma Psiquiátrica (o processo amplo de inclusão social e promoção da cidadania das pessoas com transtornos mentais) seja efetivado, é necessária a potencialização do trabalho como instrumento de inclusão social dos usuários dos serviços.
Desse modo, para que o princípio da integralidade seja cumprido, é imprescindível o fortalecimento de uma política efetiva de formação continuada, tendo como uma de suas prioridades o envolvimento das equipes de saúde mental com as de atenção básica.
Entretanto, sabe-se que a atenção básica muitas vezes não apresenta condições para realizar a missão de desenvolver ações em saúde mental. Por este motivo, o Ministério da Saúde vem se dedicando em suas políticas à ativa avaliação da atenção básica, para que as estratégias visem à inclusão dos problemas mais freqüentes de saúde mental.
O Ministério da Saúde reconhece que a maioria dos transtornos mentais leves ou moderados está sendo atendida na atenção básica, seja nos grandes e pequenos municípios, principalmente pelas equipes de Saúde da Família. Esta condição determina um grande compromisso e responsabilidade em relação à produção de saúde, à eficácia das práticas, à promoção de eqüidade, da integralidade e da cidadania por parte dos profissionais envolvidos, especialmente em relação aos pequenos municípios, onde não é implantado o CAPS pelo número de habitantes.
Das propostas aprovadas na III Conferência Nacional de Saúde Mental, considera-se importante ressaltar que as equipes da Estratégia de Saúde da Família devem ser capacitadas para garantir a prática de saúde com integralidade e a incorporação à rede de saúde mental do município. Essa capacitação deve ocorrer através da parceria de universidades e órgãos do Sistema Único de Saúde, sendo financiada pelos gestores.
Considerando-se ainda as propostas da III Conferência Nacional de Saúde Mental, destaca-se a importância de garantir ações de saúde mental na atenção básica. São elas: visita domiciliar, potencialização de recursos comunitários, atendimentos em grupo e individuais, em articulação com os profissionais de saúde mental.
Dentre as ações de prevenção em saúde mental na Atenção Básica estão os grupos de gestantes, de hipertensos e diabéticos, de idosos, de portadores de doenças crônicas, de obesos, de jovens e outros, e entre estes se destaca o de familiares.
Por fim, que a atenção básica inclusa na rede de saúde mental, ajude na construção de um sistema de saúde sólido e eficaz no Brasil.

 1 COMENTÁRIOS

Pablo Dias Fortes is offline

Bacana essa iniciativa de postar seu trabalho aqui. Aos poucos, vamos ampliando a base de inteligência da Rede sobre o diverso e complexo escopo de questões a ela referidas!

Valeu!

Pablo 

Últimos posts promovidos


Layse Veloso de A. Santos is offline
5votos

“Das estradas esburacadas de barro...” Uma roda de conversa sobre Educação permanente com alunos de psicologia.

Este post descreve a realização da nossa primeira roda de conversa com os alunos de psicologia do CESMAC de duas diferentes ênfases de estágio específico, educação e saúde. Post dedicado a atividade realizada para a disciplina Humanização na Saúde, ofertada pelo professor Sérgio Aragaki no mestrado profissional da FAMED/UFAL. Mas, antes de falarmos sobre a roda, é importante uma ressalva introdutória.

Últimos posts comentados